BTG (BPAC11) atualiza preço-teto de Petz (PETZ3) para R$ 32

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação/Petz

Em relatório divulgado nesta quinta-feira (23), o BTG Pactual (BPAC11) atualizou preço-teto de Petz (PETZ3) para R$ 32.

Desde o IPO em setembro de 2020, a PETZ teve um desempenho excelente (+ 91%), diz o BTG, sustentado por execução premium (à medida que se expande nacionalmente) e por fusões e aquisições (por exemplo, Zee.Dog recentemente, que agora o BTG incluiu em suas estimativas), adicionando a uma plataforma já omnichannel.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

“Estamos atualizando assim nossos números, atingindo um novo preço teto para 2022 de R$ 32 (vs. R$ 20 antes) enquanto mantemos a compra”, dizem os analistas.

A visão positiva (ainda) é baseada em quatro pilares:

  • Exposição a um grande mercado fragmentado e de alto crescimento para produtos e serviços para animais de estimação;
  • Oferecer uma solução onestop-shop focada na experiência dos consumidores na loja (ampla variedade de produtos e conveniência, com clínicas de tosa e veterinária);
  • Plataforma omnicanal em expansão, tornando Petz mais competitivo em relação aos players regionais e mercados horizontais;
  • Expansão nacional.

Ainda há muito espaço para crescer no varejo tradicional

Os donos de animais de estimação mudaram de “propriedade” para “pais”, cuidando dos animais de estimação como parte da família (tendência impulsionada pela pandemia).

No Brasil, o setor cresceu 7% ao ano desde 2015, com espaço para mais, principalmente à medida que o comércio eletrônico ganha força.

A Petz já é líder no segmento de varejo pet, mas o setor no Brasil ainda é altamente fragmentado (+ 50% nas mãos de lojas de animais menores e clínicas veterinárias regionais) vs. mercados globais mais maduros e carece de um player nacional dominante.

Além de sua expansão (iniciada em 2015), a Petz também implantou uma estratégia omnicanal nos últimos anos (online agora é 30% das vendas), uma ferramenta potente para aumentar a penetração em novos mercados e competir com mercados, ao mesmo tempo que captura a mudança digital dos consumidores.

“Esperamos que a empresa abriremos 39 lojas/ano até 2025. Usando nossa análise demográfica, mapeamos 283 cidades com + 100 mil habitantes no Brasil (enquanto a Petz está presente em 72 cidades)”, diz o BTG.

Muitas fusões e aquisições e aumentos de capital no segmento de pet care

Em agosto, a Petz comprou a Zee.Dog por R$ 715 milhões (7% do valor de mercado).

Com um EV de R$ 700 milhões, o negócio implica em um múltiplo de 3x EV/vendas brutas 2021 (vs. 4,3x de Petz).

“Nós não descartamos mais fusões e aquisições por Petz e apresentamos uma análise detalhada da sobreposição entre Petz e Cobasi como um exercício de brainstorming. O setor de M&A e os aumentos de capital têm sido intensos: em abril, a Cobasi recebeu investimento da Kinea e, no final de agosto, a PetLove recebeu um investimento de R$ 750 milhões da Riverwood, avaliando a empresa em R$ 3,5 bilhões”, destaca o BTG.

Assim, embora espera-se que a competição se intensifique com as empresas líderes se tornando mais capitalizadas, o BTG sinaliza que os três principais jogadores têm menos de 15% do mercado, abrindo caminho para novas consolidações.

É tudo uma questão de crescimento nacional

Usando um modelo DCF, o BTG chegou a um preço teto de R$ 32 para Petz em 2022 (vs. R$ 20 antes), com R$ 5 /ação vindo de Zee.Dog.

Com uma corrida impressionante nos últimos anos, Petz evoluiu de uma varejista regional tradicional para uma plataforma nacional omnicanal, mas ainda com muito espaço para crescer em um mercado fragmentado.

Assim, o BTG aumentou as estimativas de receita em 16% para os próximos 4 anos (com 28% CAGR até 2025), e espera um crescimento de lucro líquido de 54%/ano (vs. 39% antes), já incluindo as recentes aquisições, ainda justificando a avaliação de compra, apesar de uma avaliação rica (63x P/E 2022).