BTG (BPAC11): aquisição da HB Saúde pela Hapvida (HAPV3) é positiva

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação/ Hapvida

A Hapvida (HAPV3) informou que sua licitação para aquisição da HB Saúde foi aprovada em assembleia de acionistas da HB por acionistas representando 59% do seu capital. Enquanto o valor da oferta foi de R$ 650 milhões para a aquisição de 100% dos ativos da HB, o desembolso estimado para a participação de 59% no capital será de R$ 384 milhões, diz o BTG Pactual (BPAC11) em relatório.

A aquisição das participações remanescentes continua a ser uma possibilidade, obviamente sujeita ao interesse dos atuais acionistas.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

A Hapvida havia oferecido inicialmente R$ 450 milhões, então elevou seu lance para R$ 650 milhões, após a proposta da SulAmérica de R$ 485 milhões, que por sua vez foi elevada para R$ 563 milhões.

Mesmo que o lance da Hapvida fosse mais competitivo, a comunidade de investidores não estava considerando essa mudança como um acordo, já que a HB tem centenas de parceiros (ou seja, a diferença de valor, em termos absolutos, não era tão grande – ou seja, o relacionamento do adquirente e a percepção da qualidade também importavam).

Portanto, o BTG vê resultado positivo para HAPV.

Valuation não é tão barato quanto à primeira proposta

O grupo HB Saúde (HB) é uma operadora de planos de saúde verticalmente integrada em São Paulo com 129 mil membros de saúde (3% da base de membros do Hapvida).

Como a Hapvida tem um grande hub na região (já 110 mil vidas) depois de comprar São Francisco há dois anos, o BTG julga este movimento altamente sinérgico (explorando sua infraestrutura verticalmente integrada na região) e estratégica (uma vez que ‘neutraliza’ um importante competidor regional).

Essas vantagens justificam a avaliação relativamente mais esticada. Considerando a transação de valor de R$ 650 milhões (~ 1% do EV do Hapvida), o ativo foi avaliado em R$ 5,08k/HC membro e 2,1x receitas, um pouco acima da média de negócios de saúde nos últimos dois anos.

HB Saúde 101: faturamento de R$ 310 milhões

Com receita anual de R$ 310 milhões (3% do faturamento da Hapvida; 1,5% do faturamento da NewCo após a fusão com GNDI) e 2019 MLR de 89% (bem acima de 61% do HAPV em 2019), a  HB Saúde tem 129 mil membros de planos de saúde (a maioria corporativo) e 24,5 mil membros odontológicos.

Localizada em São José do Rio Preto e Mirassol, ela possui 1 hospital com 31 leitos (6 UTI), 8 unidades ambulatoriais, 1 clínica infantil, clínica e centros de diagnóstico, instalações de medicina preventiva e um centro de oncologia.

Reiterando compra para Hapvida

Esta fusão e aquisição foi a primeira significativa desde o recente seguimento da Hapvida.

Durante o processo de sua última oferta de ações, a Hapvida foi muito ativa em novas oportunidades de M&A, apesar de sua fusão em andamento com GNDI.

“Então, isso reforça que a consolidação da agenda do setor está mais viva do que nunca, com HAPV e GNDI ainda segurando apenas 18% do mercado de seguro saúde do Brasil. Com os fundamentos estruturais estabelecidos, nós reiteramos nossa compra em Hapvida”, diz o BTG.

O preço teto é de R$ 19.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo