BTG (BPAC11): Gol (GOLL3) tem boas expectativas para o segundo semestre de 2021

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Os analistas do BTG (BPAC11) participaram de um encontro com a alta administração da Gol (GOLL3) em que a empresa atualizou sobre as expectativas de mercado da empresa e suas iniciativas.

Os principais tópicos abordados incluem: evolução da frota e rede da Gol ao longo do segundo semestre de 2021 e suas expectativas para 2022; o ambiente competitivo no qual a indústria se remodela e sai da crise; as perspectivas para suas operações de carga aérea; o compromisso da empresa com ESG; e o progresso em suas iniciativas de TI.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

Em suma, a gestão deu uma mensagem construtiva de recuperação ao mercado, conforme a campanha de vacinação se desenrola, o que está de acordo com a posição da Azul e com o que está sendo notado nos Estados Unidos, diz o BTG.

O plano de frota e rede da Gol para o segundo semestre permanece alinhado com o guidance previamente divulgado para o período, refletindo uma recuperação gradual, embora 2021 ainda deva ser um ano tímido depois de ser atingido pela segunda onda da Covid no início do ano.

“No geral, embora esperemos que o setor de aviação civil do Brasil permaneça volátil no semestre dada a incerteza em torno de outro pico nos casos da Covid, vemos a Gol tomando passos necessários para minimizar sua queima de caixa e se preparar para decolar novamente uma vez que a campanha de vacinação começou”, diz o BTG.

Abaixo, estão as principais discussões durante o encontro com a Gol:

1) Evolução da frota e rede

No 2S21, a Gol prevê aumento de frequências e retomada de operações domésticas e regionais. Espera operar em 159 mercados (vs. 114 durante o 2T21; em linha com o 4T20 e o 1T21).

A recuperação esperada no segundo semestre é principalmente impulsionada pelo progresso recente na campanha de vacinação e a desaceleração resultante em casos de Covid no Brasil.

“Em relação ao plano de frota, a Gol planeja fechar o ano com 129 aeronaves (vs. 127 do último ano), dos quais 110 deveriam estar em operação (vs. 91 no ano passado).

Com relação às viagens de negócios, a empresa espera atingir 30-40% dos níveis de 2019 em 2021, pressupondo-se a conclusão da segunda dose da campanha de vacinação até o 4T21. Em 2022, a Gol vê a demanda atingindo 80-100% dos níveis de 2019, assumindo uma recuperação total no 1T22. Para 2023, prevê 100-120% dos níveis de 2019 para o tráfego de negócios.

2) Potenciais parcerias e recém-chegados

Sobre possíveis parcerias, a Gol comentou que está aberta a conversas com outras operadoras. A administração destacou que tem mais de 73 acordos com outras companhias aéreas em diversos formatos (acordos de codeshare e interline, entre outros).

Daqui para frente, a Gol prevê tendência de alta nas parcerias do setor, principalmente na medida em que empresas buscam emergir da crise, melhorar as condições de mercado e aumentar os resultados.

A Gol reconheceu que tem havido interesse de outros players em entrar no mercado brasileiro, mas alguns adiaram suas decisões devido aos impactos da pandemia no setor.

3) Perspectiva Financeira

A administração sinalizou que R$ 500 milhões em CAPEX deverão ser implantados em todo o ano para serem usados, principalmente, para investir em aeronaves de acréscimo de margem.

Assim, a empresa espera fechar o ano com 18 aeronaves MAX (14% da frota total), contra 7 no ano passado (6% da frota total).

Em relação ao cronograma de amortização da dívida (excluindo linhas de refinanciamento), o maior compromisso está previsto apenas para 2024 (R$ 425 milhões) e é uma fração de sua posição de liquidez total no final do 1T (R $ 4 bilhões).

4) Gollog

A administração espera que oportunidades interessantes surjam da unidade de negócios de carga da Gol, a Gollog. A empresa está focada em encontrar alternativas para expandir sua rede a fim de aproveitar o boom do e-commerce no país.

Enquanto isso, está aumentando sua oferta de multimodalidade por meio de acordos com terceiros, agregando mais armazenamento capacidade e criando seu próprio mercado. A gestão vê espaço para dobrar as receitas nos próximos dois anos.

5) Smiles

A Gol concluiu ontem a incorporação formal da Smiles. Foi um marco importante para a empresa em melhorar seus rendimentos e estratégia de preços, bem como gerar sinergias fiscais significativas.

O negócio deve gerar R$ 400 milhões de economia no ano para a Gol.

6) ESG e TI

A Gol reforçou seu compromisso ESG, destacando seu compromisso de gradualmente reduzir suas emissões de GEE renovando sua frota e usando combustível de aviação sustentável até tornar-se zero em 2050.

A Gol lançou luz sobre o ritmo acelerado de implementação de tecnologia nas operações do seu dia a dia, tendo melhorado a precisão dos seus modelos de previsão em 65%.

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.