BTG (BPAC11) espera “dividendos volumosos” de Braskem (BRKM5)

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).

Crédito: Divulgação/Braskem

A Braskem (BRKM5) reportou seus números operacionais do terceiro trimestre de 2021, incluindo dados de produção, utilização e vendas. Segundo o BTG Pactual (BPAC11), os números foram mais fracos do que o esperado, principalmente devido às menores taxas de utilização nas operações domésticas quanto nas internacionais.

O México foi o principal obstáculo, pois o BTG esperava maiores importações de etano de seu projeto Fast-Track para impulsionar uma forte melhoria nas taxas de utilização, que chegaram a 7p.p. abaixo da expectativa.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

As taxas de produção da Europa e EUA também ficaram aquém do BTG (-3 p.p.) em flutuações ainda pouco claras por conta da confiabilidade de suas plantas durante o trimestre.

Por último, apesar da melhoria t/t após uma parada de manutenção no 2º trimestre, a produção do Brasil também ficou abaixo da estimativa do BTG, o que poderia ser parcialmente explicado pela menor disponibilidade de matéria-prima.

Ao todo, as vendas totais foram 5% abaixo do que o BTG tinha projetado, reportando uma queda de 7% a/a.

Visualização do 3T21: mais um trimestre estelar a caminho

O BTG está aproveitando a oportunidade para incorporar os resultados operacionais no nosso modelo e revisar as estimativas financeiras para o trimestre.

A Braskem deve apresentar relatório em 9 de novembro. Apesar da mensagem menos positiva sobre os volumes, o BTG notou que os resultados da BRKM estão vinculados muito mais para spreads de petchem, que permanecem em níveis muito saudáveis, apesar de uma normalização t/t.

Isso, combinado com requisitos mais baixos de WK e o real depreciado, deve conduzir outra rodada de geração de FCFE muito forte no trimestre.

Após a postagem recorde de impressões no segundo trimestre, agora o BTG está modelando um EBITDA de R$ 8,3 bilhões (US$ 1,6 bilhão), + 121% a/a, receita líquida de R$ 28 bilhões e lucro de R$ 3,4 bilhões.

Dividendos do semestre e um real mais fraco superam o potencial excedente da venda de blocos

Após uma recuperação muito forte, as ações da Braskem caíram 20% desde meados de setembro no que o BTG acredita que reflete as preocupações dos investidores sobre uma possível oferta subsequente de seus dois principais acionistas (Novonor e PBR) e a recente deterioração do panorama macro do Brasil.

“Dito isso, acreditamos que os fundamentos da BRKM oferecem uma aposta segura em meio ao atual ambiente. Não só se beneficia-se de uma moeda mais fraca, mas esperamos volumosos dividendos no semestre, potencialmente rendendo ~ 20% ainda em 2021, superando o potencial excessivo de oferta, que acreditamos que deve ocorrer somente após os dividendos serem distribuídos”, afirma o BTG.