BTG (BPAC11): Cury (CURY3) tem excelentes resultados operacionais na prévia do 2TRI21

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

A Cury (CURY3) apresentou fortes resultados em todas as áreas na prévia operacional do 2TRI21, segundo relatório do BTG Pactual (BPAC11).

As vendas líquidas foram de R$ 683 milhões (+ 134% a/a), com uma velocidade de vendas impressionante de 47%, dizem os analistas. As vendas brutas somaram R$ 736 milhões (+ 121% a/a), acima das projeções.

A Cury lançou 7 projetos no segundo trimestre (5 em São Paulo e 2 no Rio, incluindo seu primeiro projeto na região “Porto Maravilha”). Assim, totalizou R$ 686 milhões em lançamentos (+ 120% a/a; 43% acima da projeção).

Mais importante, os lançamentos tiveram um desempenho de vendas muito sólido (já 56% vendidos), diz o BTG.

Forte geração de caixa da Cury

No segundo trimestre de 2021, a Cury construiu 1.832 unidades habitacionais (+ 7% a/a) e transferiu 2.819 para bancos (+ 133% a/a), representando R$ 541 milhões de arrecadação.

Como resultado, o fluxo de geração de caixa foi de fortes R$ 72 milhões (+ 17% a/a), o que significa que a Cury mantém um caixa líquido robusto de posição de +R$ 200 milhões.

Os resultados operacionais do segundo trimestre da Cury foram fortes em todas as áreas, com lançamentos, vendas e fluxo de caixa superando as projeções do BTG.

Portanto, os analistas esperam uma reação positiva do mercado.

“Nós mantemos nossa recomendação de compre para Cury, pois a avaliação parece muito atraente (8x P / E 2022E) e está equilibrada para crescer muito, mantendo a alta lucratividade (ROE de 57% em 2022e)”, diz o BTG.

Assim, a recomendação é de preço teto até R$ 16.