BTG (BPAC11): BR Properties (BRPR3) tem cap rate de saída de 8% com venda do Galpão Tucano

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

A BR Properties (BRPR3) anunciou a venda do Galpão Tucano, um imóvel logístico com 31.718m² de ABL na região de Jarinu (próximo à Grande São Paulo) por R$ 94 milhões (R$ 3.000/m²). O BTG (BPAC11) estima um cap rate de “saída” de 8% no negócio.

A BR Properties adquiriu este ativo no 1TRI18 por R$ 71 milhões (R$ 2.200/m²), principalmente via dívida a um custo de CDI + 0,7% a.a. Então teve um bom retorno na reciclagem de ativos, diz o BTG.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

No mês passado, a BR Properties adquiriu um imóvel logístico (Centauri) com 62.765m² de ABL, ainda em construção e com entrega prevista para o segundo semestre de 2022.

A propriedade é também em Jarinu, sede do Galpão Tucano e demais imóveis logísticos da empresa.

O preço pago pela Centauri foi de R$ 157 milhões (R$ 2.500/m²) e o BTG calcula uma “entrada” de cap rate de 9,5%.

“Embora seja uma transação pequena, o negócio é assertivo para os acionistas (BRPR vendeu um ativo por 8,0% cap rate e comprou outro por 9,5%, 100% alugado), reforçando sua capacidade de geração de valor por meio de M&A”, diz o BTG.

Os analistas acreditam que a curto prazo o momento para escritórios é desafiador, mas a BRPR possui escritórios AAA (mais defensivos) e ativos de logística (em forte demanda), explicando a classificação de compra para a ação. Preço-teto de R$ 15.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3