BTG avalia que pior já passou e reforça preferência em SULA11, HAPV3 E GNDI3

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).

O BTG Pactual (BPAC11) avalia que o pior já passou concernente aos impactos da pandemia do novo coronavírus no segmento de saúde.

Em relatório encaminhado ao mercado, a instituição financeira reportou que levantamento da ANS (Agência Nacional de Saúde) indica leve melhora.

“Isso apesar do do ambiente difícil”, disse o analista Samuel Alves, com base no indicador “Adesão Health Care”, cuja expansão foi de 36 mil novos aderentes no mês a mês.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

E acrescentou: “já a indústria odontológica adicionou 97 mil novos membros.”

O analista ressaltou que as companhias preferidas do BTG neste segmento são SulAmérica (SULA11), Hapvida (HAPV3) e Grupo Notre Dame (GNDI3).

“Continuamos otimistas com relação a estas empresas, bem como na rápida recuperação do mercado para os próximos meses, em especial a toda a rede privada de HC. Em nossa opinião, a SulAmérica é uma das melhores opções”, frisou.

BPAC111: sinais de recuperação

De acordo com o analista Yam Cesquim, os impactos do novo coronavírus têm prejudicado a indústria desde meados de março.

“Mas, desta vez, estamos começando a ver os primeiros sinais de recuperação”, frisou, elencando o indicador “Corporate”, cujo volume de novos contratos aumentou em 30 mil no segmento vidas, o que representa 67% do Health Care total.

Já o crescimento no segmento Individual foi de um mil, ou 19%, enquanto o segmento de Afinidade foi de cinco mil, ou 14%.

BPAC11: companhias

Para os analistas, Hapvida, Grupo Notre Dame e SulAmerica perderam membros em julho, mas a dinâmica parece estar gradualmente melhorando.

Eles também notaram que, após consolidar as aquisições mais recentes do setor, o Grupo Notre Dame se tornou o maior player da indústria de HC, em termos de adesão.

Na contramão, a Hapvida perdeu 20,8 mil beneficiários no segmento Health Care em julho. No segmento Autônomo, a queda foi de 28,9 mil membros e outros 1,9 mil a menos em Afinidade.

“Do lado positivo, obtiveram uma mil adições líquidas na Pessoa Física. Todo o grupo [HAPV + São Francisco + America + outros pequenos ativos adquiridos recentemente] perdeu 20,8 mil membros em julho”, disseram.

BPAC11: Notre Dame

Conforme os especialistas, o Grupo Notre Dame perdeu 6,9 mil membros em julho. “No segmento Autônomo, também viu uma contração de 8,3 mil no mês a mês”, disseram.

E acrescentaram: “todo o grupo [GNDI + Clinipam + outros pequenos ativos adquiridos recentemente] perdeu 6,9 mil membros em julho.”

Do lado positivo, frisaram, a Clinipam adicionou 1,4 mil beneficiários.

Já a SulAmérica registrou menos 0,3k adições líquidas de HC no mês a mês.

Olhando para o segmento Odontológicos, a SulAmerica relatou expansão líquida de 33 mil no mês.

BPAC11: Odontoprev e Amil

O relatório também traz informações referentes à Odontoprev (ODPV3) e Amil. A primeira perdeu nove mil clientes no segmento geral em julho, mas obteve seis mil em Corporate.

No segmento afinidade, ganhou mil novos beneficiários, mas perdeu 16 mil em Individual.

Já a Amil continua encolhendo, dizem os analistas, conforme a queda de 1,3 mil beneficiários em julho.