Brasileiros temem perder renda durante pandemia do coronavírus, diz pesquisa

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/PIxabay

Os brasileiros estão temerosos com relação ao futuro da economia do País durante a pandemia de coronavírus e, também, após o término do surto da Covid-19.

Segundo pesquisa realizada pelo Datafolha com 1.158 pessoas entre os dias 18 e 20 de março, 79% preveem que o cenário econômico do Brasil será bastante afetado pela propagação da doença.

O pessimismo permaneceu em um alto patamar mesmo quando direcionada somente aos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o Datafolha, 72% dos entrevistados que apoiam as decisões do presidente para brecar o coronavírus estão temerosos com o futuro da economia.

Insegurança

A insegurança é o sentimento mais comum entre os entrevistados pelo Datafolha.

O Instituto registrou que 73% das pessoas acreditam que as finanças pessoais serão afetadas pela crise. Para 45%, o prejuízo será passageiro, mas 28% temem que as dificuldades perdurem por muito tempo.

Apenas 24% dos entrevistados afirmaram que não terão qualquer prejuízo financeiro durante a pandemia de coronavírus no País.

A insegurança, segundo o Datafolha, é maior entre as pessoas com renda mais baixa. Cerca de 32% dos entrevistados que recebem até 2 salários mínimos por mês disseram temer os prejuízos causados pela crise por mais tempo.

Já os com melhores condições, que recebem mais de 10 salários mínimos por mês, têm 19% no grupo de “pessimistas” e 54% confiantes em não sofrer com a crise.

Até quando vai a crise?

O Instituto Datafolha incluiu na mais recente pesquisa a previsão sobre o término da crise econômica após a pandemia de coronavírus passar.

Para 50% dos entrevistados, a crise causada pela Covid-19 terá efeitos prolongados, enquanto 44% acreditam que os prejuízos creem em uma recuperação mais rápida. Entre os mais pessimistas, 53% são mulheres.

Apoio às medidas de contenção

Dois dos principais institutos de pesquisa do Brasil, Datafolha e Locomotiva, divulgaram no fim de sema o sentimento dos cidadãos do País sobre o coronavírus.

De acordo com a Folha de S.Paulo, 74% dos entrevistados em todo o território nacional afirmaram ter medo de serem infectados pela Covid-19, doença causada pelo coronavírus.

Os números são ainda maiores entre os entrevistados ouvidos pelo Instituto Locomotiva, a pedido do Estadão Conteúdo.

Segundo essa segunda pesquisa, 86% dos brasileiros estão “muito preocupados” com a epidemia, enquanto 11% estão um pouco preocupados e 3% disseram não estar “nem um pouco” preocupados.

Medidas de confinamento

Recentes números divulgados pelo Datafolha e pelo Instituto Locomotiva são similares quando o questionamento foi em relação às principais medidas de confinamento anunciadas pelos governos estaduais e pelo governo federal.

Os dados do Locomotiva indicaram que 96,5% dos entrevistados se posicionaram a favor do fechamento das escolas, enquanto no Datafolha o índice foi de 92% à mesma questão.

A quarentena temporária foi defendida por 73% dos entrevistados pelo Datafolha e 84% dos ouvidos pelo Instituto Locomotiva.

Segundo o Datafolha, 37% dos entrevistados já pararam de ir ao trabalho, 55% interromperam a ida às aulas, 76% interromperam atividades de lazer e 46% sequer saem às ruas durante a pandemia de coronavírus.

Isolamento social por coronavírus impacta consumo de combustíveis e energia

FMI prevê que pandemia causará recessão “tão ruim” quanto a de 2009