Bradespar (BRAP4) anuncia proventos no valor bruto de R$ 1,16 bilhão

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Bradespar/Divulgação

A Bradespar (BRAP4) aprovou o pagamento de proventos no valor bruto total de R$ 1,16 bilhão.

Será pago o total de R$ 915 milhões a título de dividendos, sendo R$ 2,46883 por ação ordinária e R$ 2,715717 por ação preferencial, sem retenção de imposto de renda na fonte.

Além disso, será pago JCP de R$ 245 milhões pelo valor líquido de R$ 0,56189 por ação ordinária e R$ 0,61808 por ação preferencial.

Bradespar (BRAP4) reverte prejuízo e tem lucro de R$ 325 mi no 4TRI

Os mencionados dividendos e JCP beneficiarão os acionistas que estiverem inscritos nos registros da Companhia em 31 de março, de modo que as ações passarão a ser negociadas “ex-direito” a partir de 1 de abril.

O pagamento está previsto para o dia 12 de maio.

Banco ABC (ABCB4) informa sobre JCP

O conselho de administração do Banco ABC (ABCB4) aprovou a distribuição aos acionistas de JCP no valor bruto total de R$ 45,935 milhões, que representa um valor bruto de R$ 0,2130 por ação.

Farão jus aos referidos proventos os acionistas inscritos nos registros da Companhia em 31 de março, inclusive.

O pagamento dos juros sobre o capital próprio ora distribuídos ocorrerá no dia 07 de abril.

Smiles (SMLS3) comunica alteração acionária

A Smiles (SMLS3) recebeu comunicado da Moat Capital Gestão de Recursos, na qualidade de representante de sociedades de seu grupo econômico, informando que a Companhia reduziu sua participação acionária relevante.

Desse modo, a Moat, que administrava 5,58% das ações ON emitidas pela Smiles, a partir de 25 de março, passou a administrar um total que representa aproximadamente 3,23% das ações da Companhia.

Azevedo e Travassos (AZEV4) informa alienação de participação societária

A Azevedo e Travassos (AZEV4) celebrou contrato por meio do qual alienou a totalidade da sua participação societária detida na Azevedo & Travassos Engenharia (ATE) para Mário Guilherme da Silveira Carvalho Filho.

Como resultado da alienação, a ATE deixará de ser subsidiária da Companhia.

A venda da ATE foi realizada na modalidade “porteira fechada”, pelo valor de um real.

Assim sendo, o comprador assumiu a propriedade integral da ATE juntamente com a totalidade de seus ativos e passivos atuais, passando a se responsabilizar por todas as dívidas, passivos, contingências e obrigações da ATE.

As atividades operacionais da ATE estão suspensas desde o final de 2018, em razão de suas dificuldades em atuar no mercado de obras públicas. A venda permitirá à Azevedo e Travassos anular o impacto negativo da consolidação de seus resultados .