brMalls (BRML3) tem queda de 63% no lucro líquido do 4TRI20

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: BRMalls (BRML3)

Com o impacto da pandemia de Covid-19 sobre os shoppings, a brMalls (BRML3) registrou queda de 63% no lucro líquido ajustado do quarto trimestre de 2020 no comparativo com o mesmo período de 2019.

Assim, a empresa teve lucro líquido de R$ 171,4 milhões no 4TRI19 e R$ 62,2 milhões no 4TRI20.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

No comparativo anual, a queda foi ainda maior: 64,6%. A BR Malls computou lucro líquido ajustado de R$ 240 milhões em 2020 e de R$ 678 milhões em 2019.

Ebitda cai 42%

No quarto trimestre de 2020, o Ebitda ajustado da brMalls alcançou R$ 154,7 milhões, redução de 42,1% ante o 4T19, o que representa uma margem Ebitda ajustado de 58,0%, 18,4 p.p. abaixo da margem do 4T19.

O Ebitda ajustado anual caiu 47%. Assim, passou de R$ 991 milhões em 2019 para R$ 526 milhões em 2020.

Receita líquida diminui 23%

A receita líquida no 4T20 da brMalls totalizou R$ 266,7 milhões, redução de 23,6% quando excluídos os shoppings vendidos.

A variação, diz a empresa, é resultado das restrições aplicadas ao longo de 2020 nas operações de shoppings, devido aos impactos da Covid-19.

Considerando o portfólio completo, a variação da receita líquida foi negativa em 23,8% no trimestre comparado ao ano anterior.

Mas na comparação com o 3T20, houve melhora. A BR Malls registrou crescimento de R$ 59,0 milhões (+28,4%), reflexo da evolução relevante no fluxo e nas vendas, com a consequente redução das concessões comerciais.

NOI da brMalls ficou 24% menor

No quarto trimestre de 2020, a BR Malls apresentou um NOI de R$ 238,9 milhões, o que representa uma redução de 24,8% e uma margem de 88,3%.

“Atribuímos a variação negativa aos impactos sofridos com a restrição dehorário de funcionamento dos shoppings durante o ano de 2020”, diz a empresa.

Apesar dos dados, a administração ressalta que o 4T20 “foi marcado pela evolução da normalização das atividades e melhora das restrições impostas, com os indicadores operacionais e financeiros dos ativos registrando recuperação e crescimento”.