Bolsonaro volta a ameaçar Mandetta: “Minha caneta funciona”

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Isac Nóbrega;PR

A “guerra fria” entre o presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, sobre como gerenciar a crise do coronavírus, ganhou um novo capítulo.

Ao deixar o Palácio da Alvorada no domingo e se encontrar com alguns apoiadores, Bolsonaro não mencionou diretamente o nome do ministro, mas mandou um recado certamente endereçado ao chefe da pasta da Saúde.

“Algumas pessoas no meu governo, algo subiu a cabeça deles. Estão se achando. Eram pessoas normais, mas de repente viraram estrelas. Falam pelos cotovelos. Tem provocações. Mas a hora deles não chegou ainda não. Vai chegar a hora deles”, ameaçou.

“Minha caneta funciona”

O presidente da República deu a entender que Luiz Henrique Mandetta está, literalmente, em sua “linha de tiro” e que, se não pedir demissão, possivelmente será mandado embora quando a pandemia do coronavírus passar.

“A minha caneta funciona. Não tenho medo de usar a caneta nem pavor. E ela vai ser usada para o bem do Brasil, não é para o meu bem. Nada pessoal meu. A gente vai vencer essa”, bradou.

Humildade

Essa não foi a primeira vez que o presidente Jair Bolsonaro criticou o papel desempenhado por Luiz Henrique Mandetta durante a crise do coronavírus.

Na última quinta-feira, em participação virtual no programa Os Pingos Nos Is, da Jovem Pan, Bolsonaro falou, com todas as letras, que “faltava humildade”ao Ministro da Saúde.

“O Mandetta já sabe que a gente está se bicando há algum tempo. Não pretendo demiti-lo durante a guerra. Tenho falado com ele. Está no meio do combate, não tem problema. Não é uma ameaça ao Mandetta. Se ele se sair bem, sem problemas, mas nenhum ministro meu é indemissível”, disparou.

“Acho que o Mandetta, em alguns momentos, deveria ouvir mais o presidente da República. O Mandetta quer fazer valer muito a vontade dele. Pode ser que esteja certo, mas está faltando um pouco de humildade”, completou.

Popularidade de Mandetta também incomoda

Ao afirmar que algumas pessoas “estão se achando” e que “de repente viraram estrelas”, Bolsonaro também deixou escapar que o crescimento da popularidade de Mandetta durante a pandemia de coronavírus o incomodou.

O ministro já deixou claro que “não abandonará o paciente” (Brasil) no meio da crise e, ciente de que está em alta com a população, fez algo inusitado no último fim de semana.

Mandetta gravou uma mensagem em vídeo que foi exibida durante uma live no YouTube do cantor de forró Xand Avião, que reuniu mais de 600 mil pessoas.

O mesmo vídeo foi reproduzido também durante a live da dupla sertaneja Jorge e Mateus, que chegou a ter 3 milhões de acessos simultâneos.

“Importante que a música chegue, mas que a gente não aglutine, que a gente não coloque as pessoas no mesmo lugar. Os shows são feitos de casa. O show não pode parar, mas a aglutinação tem que parar. A gente precisa agora proteger um ao outro e o sistema de saúde se preparar para, no momento certo, a gente poder se abraçar”, afirmou Mandetta durante a transmissão.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Mandetta eleva o tom e alerta Bolsonaro sobre mortes

Bolsonaro critica isolamento e falta de humildade de Mandetta