Bolsonaro usou inquérito das fake news para pressionar Moro a trocar comando da PF

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação/PR

A investigação da CPI das fake news foi o estopim definitivo na briga entre Jair Bolsonaro e Sergio Moro que culminou com a saída do ministro do governo.

Uma troca de mensagens entre o presidente da República e o agora ex-Ministro da Justiça foi exibida no Jornal Nacional, da Rede Globo, e reproduzida pela Folha de S.Paulo.

A troca com Bolsonaro

Nela, Bolsonaro informa a Sergio Moro sobre uma matéria do site “O Antagonista”, intitulada “PF na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas” e, na sequência, emenda: “Mais um motivo para a troca”.

A troca insinuada por Bolsonaro era referente a Maurício Valeixo, ex-diretor da Polícia Federal e gota d’água no pedido de demissão de Sergio Moro.

Moro ainda tentou argumentar com Bolsonaro, informando que Valeixo não tinha nada a ver com as investigações, e que elas teriam sido comandadas “pelo Ministro Alexandre no STF”, em referência a Alexandre de Moraes, um dos membros do Supremo Tribunal Federal.

“Este inquérito é conduzido pelo ministro Alexandre [de Moraes] no STF. Diligências por ele determinadas; quebras por eles determinadas; buscas por ele determinadas. Conversamos em seguida às 9h”, resumiu Moro, em sua mensagem.

Alexandre de Moraes, além de ser o relator da CPI das fake news, também foi o sorteado para comandar as investigações sobre o ato do qual o presidente Jair Bolsonaro participou em Brasília, pedindo, entre outras coisas, o fechamento do Congresso, do STF e a volta do AI-5.

Troca de favores?

Em uma outra troca de mensagens exibida pelo telejornal global e pela Folha, Sergio Moro prova que realmente não condicionou aceitar a saída de Valeixo da Polícia Federal por uma cadeira no STF em novembro, como alegou Jair Bolsonaro.

Essas mensagens, no entanto, foram trocadas com a deputada Carla Zambelli, do PSL, de São Paulo, e considerada uma das mais ferrenhas defensoras de Bolsonaro.

Nas mensagens, Zambelli praticamente implora a Moro para aceitar Ramagem, ex-diretor da Abin, para o lugar de Valeixo na PF, pois, assim, “iria em setembro para o STF”.

Moro responde, claramente, que não se interessa pela troca de favores, cravando: “Prezada, não estou à venda”.

Troca de farpas

A saída de Sergio Moro do governo movimentou o cenário político na sexta-feira. O agora ex-Ministro fez um pronunciamento pela manhã para informar seu desligamento e acabou disparando várias acusações contra o presidente Jair Bolsonaro.

Entre elas, a de querer trocar o comando e a superintendência da Polícia Federal para poder interferir politicamente na instituição, que não é governamental, mas do Estado.

No período da tarde foi a vez de Bolsonaro ir para as câmeras e acusar Moro de tê-lo traído e de “se preocupar com o próprio ego”, além de dizer que o ex-ministro teria aceitado a troca do comando da PF em troca de uma cadeira no STF.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Moro foi ao Twitter rebater as acusações e, mais tarde, enviou as provas para o Jornal Nacional.

Bolsonaro exonera diretor da PF e Moro pede demissão

Bolsonaro diz que Moro toparia troca na PF por cadeira no STF