Bolsonaro faz ataques a Maia e critica sua atuação na Câmara

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Reprodução / CNN Brasil

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), deu entrevista à CNN Brasil na tarde desta quinta-feira (16) e criticou duramente o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Para Bolsonaro, “o Brasil não merece a atuação dele na Câmara; péssima sua atuação”.

Além disso, exigiu respeito do mandatário da casa legislativa: “O Maia tem de me respeitar como chefe do Executivo”.

Faça você mesmo o rebalanceamento de sua carteira de investimentos

“O que nós projetamos de economia com a reforma da Previdência praticamente foi engolido em poucos meses. Não vou trair a minha consciência e deixar de falar a verdade. Eu lamento a posição do Rodrigo Maia nessas questões. Resolveu assumir o papel do Executivo com ataques bastante contundentes à nossa posição”, disse.

Ele chamou de “escandalosas” as medidas que estão sendo aprovadas pelo Congresso.

Derrotas do governo

Reclamou da votação remota no Parlamento, após seguidas derrotas do governo, que até hoje não possui base formada: “Essa forma de votação pela Internet está impedindo um debate melhor na Câmara, sendo aprovado de forma açodada, para atender a alguns governadores que fecharam de forma excessiva a sua economia. e a conta é altíssima”.

Senado aprova em primeiro turno o “Orçamento de Guerra”

Paulo Guedes critica Rodrigo Maia e pede que senadores “salvem” o país da Câmara

“O Paulo Guedes queria uma contrapartida. Todos têm que se sacrificar e ter responsabilidade. Não podemos apenas o Parlamento mandar a conta para gente pagar. Cada governador tem seu plano, fecha o comércio e manda a conta, não para mim, mas para o contribuinte pagar. A conta final sai na casa de R$ 1 trilhão”, completou.

Bolsonaro parte para o confronto direto

Bolsonaro afirmou, entretanto, que não está rompendo com o Parlamento, mas seguiu subindo o tom da crítica: “ele tem que entender que ele é o chefe do Legislativo, e ele tem que me respeitar como chefe do Executivo. Lamentavelmente, não o Congresso ou a Câmara dos Deputados. O senhor Rodrigo Maia é que resolveu não conversar com mais ninguém”.

O presidente da República parte para esse confronto direto por achar que Maia assumiu um protagonismo que não lhe é devido, durante a pandemia do novo coronavírus. É da Câmara dos Deputados e do Senado Federal a maioria dos projetos que saem em socorro à economia e às pessoas durante a crise.

“O Brasil não merece a atuação dele na Câmara. Péssima sua atuação”, disse Bolsonaro.

“Ele não pode jogar todos os governadores contra mim, fazendo o Senado aprovar essa proposta sem contrapartida”, referindo-se ao projeto de socorro aos estados e municípios, que a Câmara aprovou e agora está no Senado.

Governadores e prefeitos divulgaram carta aberta e pluripartidária pedindo aos senadores que aprovem integralmente o projeto da Câmara.

“Até que ponto pode chegar essa despesa, vai ultrapassar R$ 100 bilhões. Qual é o objetivo do senhor Rodrigo Maia? Resolver o problema ou atacar o presidente da República?”, questionou o chefe do Executivo. “Ele está conduzindo o Brasil para o caos. Não temos como pagar uma dívida monstruosa que está aí, não há recurso”.

Enfiando a faca

“Eu lamento a posição do Rodrigo Maia, que resolveu assumir o papel do Executivo. Eu respeito ele, mas ele tem que me respeitar. Lamento a postura que ele vem tomando. Mas o sentimento que eu tenho é que ele não quer amenizar os problemas. Ele quer atacar o governo federal, enfiando a faca no governo federal. Parece que a intenção é me tirar do governo. Paulo Guedes não tem mais contato com Maia”, reclamou.

“Parece que estão querendo me tirar do governo. Parece que é isso daí, quero crer que esteja equivocado, mas os números fazem parecer isso aí. O ministro Paulo Guedes não tem mais contato com o Rodrigo Maia, ele é o dono da pauta”, acrescentou.

Bolsonaro ainda reclamou da falta de diálogo com ele: “Da minha parte, não. Parece que a intenção é outra do senhor Rodrigo Maia. Ele está conduzindo o Brasil para o caos”.

LEIA MAIS

Ibovespa fecha em queda de 1,29%; dólar sobe a R$ 5,25

Covid-19: CVM divulga orientações sobre riscos de crédito