Bolsonaro reconhece que recuperação econômica não será rápida; veja mais

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Brasil é vítima de desinformação sobre meio ambiente, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro admitiu ontem (5) que a recuperação econômica do Brasil não será rápida, durante visita a São Paulo. Com informações da Reuters.

“Eu sempre falei que era vida e economia. Fui muito criticado, mas eu não posso pensar de forma imediata”, disse o presidente “Esperamos que volte à normalidade o país. Não digo rápido (sic) porque não vai ter como ser rápido, mas não tão demorado assim.”

A fala do presidente diverge do que a equipe econômica vem ressaltando. Isso porque, segundo a equipe do ministro Paulo Guedes, o país já começou uma recuperação em V (quando alta acontece tão rápida quanto a queda).

Faça você mesmo o rebalanceamento de sua carteira de investimentos

Pro-Brasil: Governo remanejará recursos de outros ministérios

O governo federal irá realizar um pente-fino em várias pastas em busca de recursos para financiar obras, conforme reportagem da Folha S.Paulo.

A iniciativa visa avaliar que recursos podem ser redirecionados para ministérios, como o da Infraestrutura e do Desenvolvimento Regional.

Para 2020, o valor destinado ao programa seria de R$ 5 bilhões, mas depois de negociação com o Congresso, subiu para R$ 6 bilhões.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Nova Lei do Gás começa a tramitar no Senado

O texto muda as regras para o mercado de gás natural no Brasil, foi aprovado na última terça (1) na Câmara dos Deputados. E, nesta semana inicia a tramitação no Senado.

A nova Lei visa realizar alterações no marco regulatório. Dessa forma, pretende quebrar o monopólio da Petrobras (PETR4), atrair competitividade para o setor e, assim, barateie o insumo.

Atualização Covid-19

O Brasil registrou 682 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com o consórcio de imprensa. O total até agora é de 126.203 óbitos. O número de casos confirmados atingiu 4.123.000, sendo 30.168 nas últimas 24 horas.