Bolsonaro quebra isolamento e vai a hospital, farmácia e prédio em Brasília

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo

Crédito: Marcos Corrêa/PR / Agência Brasil

Pela segunda vez em dois dias, o presidente Jair Bolsonaro contrariou orientação de autoridades sanitárias sobre manter o distanciamento social.

Nesta sexta-feira (10) o chefe do executivo andou por áreas comerciais e residenciais de Brasília, e cumprimentou apoiadores, informou o G1.

Bolsonaro pegou na mão de alguns apoiadores. Chegou a levar a mão ao rosto e, com o mesmo braço, cumprimentou uma idosa. Depois, voltou a esfregar as mãos no rosto.

Na rua, houve manifestação de protesto e de apoio ao presidente. Moradores bateram panelas em suas janelas e gritaram palavras de ordem contra Bolsonaro. Outros tiraram fotos com ele e berravam seu nome.

Aglomeração em padaria

Nesta quinta-feira (9), Bolsonaro já havia contrariado o isolamento social. Ele foi a uma padaria de Brasília, abraçou apoiadores (que formaram uma aglomeração em torno dele), e comeu no local.

Um decreto do governo do Distrito Federal permite o funcionamento de padarias, mas proíbe que seja fornecida refeição para consumo no estabelecimento, informou o G1.

No trecho que lista que tipo de lojas podem funcionar no DF durante a crise do coronavírus, o decreto diz: “Padarias e lojas de panificados [podem funcionar] apenas para a venda de produtos, sendo vedado o fornecimento de refeições de qualquer tipo para consumo no local”.

Na saída da farmácia, Bolsonaro disse que ele tem o direito constitucional de ir e vir.

“Ninguém vai tolher minha liberdade de ir e vir. Ninguém”, afirmou o presidente.

 

Hospital e farmácia

O presidente Jair Bolsonaro também foi ao Hospital das Forças Armadas, em Brasília, segundo a Agência Brasil.

De acordo com a assessoria da Presidência, ele esteve em “visita ao corpo técnico e aos profissionais de saúde” da unidade e foi acompanhado pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo.

Bolsonaro também foi a uma farmácia no bairro Sudoeste, próximo ao hospital.

Ele entrou e saiu de sua residência oficial sem parar para falar com a imprensa e com os apoiadores, como faz costumeiramente.

Na agenda do presidente para esta sexta-feira não constam compromissos oficiais.

*com Agência Brasil