Bolsonaro estuda dar status de ministério para Cultura, se Regina Duarte aceitar convite

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Após a polêmica e demissão de Roberto Alvim, da Secretaria Especial da Cultura, o presidente Jair Bolsonaro está avaliando a recriação do Ministério da Cultura. Com uma condição, de que a atriz Regina Duarte, aceite o convite para gerenciar o setor. 

A ex-atriz global, prometeu dar a respostas em pouco dias, segundo reportagem do Globo. Um encontro deve ser realizado nesta segunda-feira (20), para que o Bolsonaro e Duarte possam entrar em acordo.

Se Regina Duarte aceitar o convite do presidente, ela irá ocupar o cargo de importância maior. No primeiro escalão do governo. Se a secretaria voltar a ser Ministério, o salário será o dobro comparado ao de Alvim. De R$ 15.359,19 (salário de Roberto Alvim) para R$ 30.934,70.

Logo que iniciou seu mandato, Jair Bolsonaro decidiu transformar o antigo Ministério da Cultura em secretaria.  No mês de novembro do ano passado, um decreto determinou que fosse realizada a transferência da Cultura para o Ministério do Turismo, a qual não foi concluída.

Segundo reportagem do jornal O Globo, um auxiliar do presidente Bolsonaro afirmou que já foi debatida com Duarte a possibilidade de retomar o status de ministério. 

A atriz é conhecida por participar de grandes novelas como Por amor, Roque Santeiro, Selva de Pedra entre outras. Amiga da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, Regina é conselheira do Pátria Voluntária. Um programa comandado por Michelle, que estimula a prática do voluntariado.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo.