Bolsonaro ironiza ao explicar remanejamento do Bolsa Família: “Vocês estão loucos para que eu desse um corte”

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro abusou da ironia ao explicar para os jornalistas o remanejamento de parte do Orçamento de 2019 para bancar o 13° salário aos beneficiários do Bolsa Família.

Segundo reportagem publicada nesta terça-feira (7) pelo jornal Folha de S.Paulo, o governo precisou usar parte da verba anteriormente prevista para aposentadorias e pensões no pagamento do 13°.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

“Vocês estão loucos para que eu desse um corte no Bolsa Família. Deve ser isso. Atendemos o Bolsa Família. Deve ter havido remanejamento, tudo de forma legal, sem problema nenhum”.

O remanejamento dos fundos para cumprir com os pagamentos dos benefícios, conforme noticiado pela Folha, foi confirmado pelo Ministério da Economia.

“Culpa” é do aumento dos beneficiários

Bolsonaro também encontrou um “culpado” pela atual situação envolvendo o Programa criado durante o governo Lula.

Segundo o presidente da República, o aumento exagerado do número de pessoas no Bolsa Família tem causado essa dificuldade para sanar os pagamentos.

“Nós estamos buscando a maneira de trabalhar melhor na questão do Bolsa Familia para evitar que entre com tanta facilidade sem filtro muitas pessoas”, avisou.

“O maior problema não é o pente-fino que é feito regularmente é a quantidade de municípios que … Tem que ter um mecanismo para punir aqueles que estão na ponta da linha e que simplesmente vão botando para dentro do Bolsa Família sem nenhuma responsabilidade”.

A reportagem da Folha apontou que cerca de 700 mil pessoas que solicitaram o auxílio do Bolsa Família continuam na fila de espera.

O benefício é destinado a todas as pessoas que, comprovadamente, vivem em situação de extrema pobreza, com renda per capita de até R$ 89 mensais, ou de pobreza, com renda entre R$ 89,01 e R$ 178 por mês. O benefício médio é de R$ 191,08.

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.