Bolsonaro indica Nestor Forster para assumir embaixada do Brasil em Washington

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Divulgação/Itamaraty

Nestor Forster é o nome escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar o cargo de embaixador brasileiro em Washington, nos Estados Unidos.

Formado em História e Letras Clássicas pela Universidade Federal do Rio Grandfe do Sul, Forster tem 56 anos e está na carreira diplomática desde 1985, sendo promovido a ministro de Primeira Classe em 2019.

A divulgação do nome de Forster, que já atua como encarregado de negócios na unidade diplomática, surgiu depois da desistência de Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, em pleitear o cargo.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

O próximo passo, antes da formalização, é Forster ser submetido a uma sabatina pela Comissão de Relações Exteriores do Senado.

A sabatina, no entanto, deverá acontecer somente em 2020, pois, segundo o presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, Nelson Trad, “não há tempo hábil” para que o nome de Forster seja submetido ao plenário até o fim deste ano.

Feito isso, o novo indicado ao cargo de embaixador terá seu nome submetido ao plenário da Casa para saber se terá ou não seu nome aceito.

Aprovado pelos EUA

Segundo o jornal O Globo, o governo norte-americano já concedeu, semana passada, a autorização para que Forster assuma a embaixada.

O nome do diplomata era tratado como favorito antes de Bolsonaro resolveu indicar o filho ao posto e, agora, é novamente dado como certo.

Forster já ocupou postos nas embaixadas do Canadá e da Costa Rica e tem bastante proximidade com um dos “gurus” do presidente Bolsonaro, Olavo de Carvalho.

LEIA MAIS:

Paulo Guedes promete tentar barrar projeto de lei das concessões

Brasil ameaça sair do Mercosul por causa da Argentina

Reforma administrativa pode ficar para 2020, admite Bolsonaro