Bolsonaro espera retorno da atividade econômica em até 4 meses

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro disse esperar que as atividades no Brasil voltem ao normal em menos de “três ou quatro” meses, durante sua live semanal transmitida pelo Facebook nesta quinta-feira (9). Isso porque se o retorno levar mais tempo, haverá complicações econômicas.

Bolsonaro mencionou os gastos de aproximadamente R$ 600 bilhões para enfrentamento da pandemia de coronavírus e manutenção de emprego.

“Estamos com esses R$ 600 bilhões mantendo a comunicação com as duas margens do rio, só que temos um limite, acredito que três meses ou quatro meses fica complicado, então a gente espera que as atividades voltem antes disso”, afirmou.

O presidente defendeu o término do isolamento social para pessoas fora dos grupos de risco do coronavírus. “Por mim, quem tem menos de 40 anos já estaria trabalhando, porque nós deveríamos, no meu entender, partir para o isolamento vertical”, disse.

Bolsonaro ressaltou que a decisão de manter o isolamento social amplo e o comércio fechamento é dos governos estaduais e municipais, e quem se sentir prejudicado deve cobrar dos governadores e prefeitos. Ele acrescentou que alguns estados e municípios já estão retomando as atividades.

“Eu tenho certeza que brevemente isso tudo estará resolvido. Tenho notícias que alguns governadores, alguns prefeitos também, [em] cidades que não tem ninguém detectado com o vírus, está sendo liberado [o comércio] pelo respectivo governador”, disse.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

O número de óbitos por causa do coronavírus totalizou 941, segundo atualização divulgada pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (9). Ao todo, o Brasil registrou 141 mortes e 1.930 novos casos confirmados nas últimas 24 horas.

LEIA MAIS

Maia: governo usa informações falsas para chamar ajuda aos estados de “pauta-bomba”

Presidente do BC critica ideia de “imprimir dinheiro” para sair da crise