Bolsa sobe 0,85%, com pacote de US$ 1 tri nos EUA e dados econômicos

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Arte / EQI

A bolsa de valores conseguiu recuperar-se das perdas recentes, com uma alta de 0,85% nesta quinta-feira (24), fechando com 129.513,23 pontos. O mercado brasileiro acompanhou a alta vista em Nova York, que comemorou uma elevação consistente dos principais índices.

Dados econômicos nos Estados Unidos ajudaram a empolgar os investidores. Mas foi o acordo conseguido pelo presidente local, Joe Biden, com os dois partidos que compõem a legislatura de seu país, sobre o pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão que fez os agentes de mercado esfregarem as mãos com mais volúpia.

No Brasil, apesar do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), dizer que deve andar com a privatização dos Correios até 17 de julho, data do recesso, os olhos ainda se voltam para a tensão causada pela acusação de corrupção no governo federal na compra das vacinas Covaxin, da Índia.

Hoje, o Ibovespa apresentou na mínima 128.427,97 pontos (0,00%); e na máxima, 129.541,18 pontos (+0,87%).

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

O volume financeiro negociado foi de R$ 27,700 bilhões.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

Confira a evolução do Ibovespa na semana, em cada fechamento de sessão:

  • segunda-feira (21): +0,67% (129.264,96 pontos)
  • terça-feira (22): -0,38% (128.767,45 pontos)
  • quarta-feira (23): -0,26% (128.427,98 pontos)
  • quinta-feira (24): +0,85% (129.513,23 pontos)
  • semana: +0,88%
  • junho: +2,61%
  • 2021: +8,76%

Juros

  • D1F22: -0,52% para 5,73%
  • D1F23: -1,03% para 7,22%
  • D1F24: -1,01% para 7,83%
  • D1F25: -0,85% para 8,14%
  • D1F26: -0,95% para 8,32%
  • D1F27: -1,16% para 8,51%
  • D1F28: -0,23% para 8,72%
  • D1F29: -1,12% para 8,79%
  • D1F30: -0,00% para 9,03%
  • D1F31: -0,77% para 9,03%

Dólar

O dólar desabou nesta quarta. A moeda norte-americana caiu 1,17% e passou a valer R$ 4,9049.

  • segunda-feira (21): -0,91% a R$ 5,0227
  • terça-feira (22): -1,13% a R$ 4,9661
  • quarta-feira (23): -0,07% a R$ 4,9628
  • quinta-feira (24): -1,17% a R$ 4,9049
  • semana : -3,28% a R$ 4,9049

Euro

  • segunda-feira (21): -1,02% a R$ 5,9744
  • terça-feira (22): -0,94% a R$ 5,9181
  • quarta-feira (23): +0,08% a R$ 5,9228
  • quinta-feira (24): -1,19% a R$ 5,8520
  • semana: -3,07% a R$ 5,8520

Criptomoedas*

  • Bitcoin: +7,44% a R$ 171.191,72
  • Ethereum: +6,58% a R$ 9.892,78
  • Tether: +1,84% a R$ 4,91
  • Cardano: +16,28% a R$ 6,77
  • Binance: +11,27% a R$ 1.537,19

*(variação nas últimas 24h – corte: 17h)

Bolsa em Nova York e cenário mundial

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 6,4% no primeiro trimestre de 2021. O dado da segunda prévia foi divulgado nesta quinta-feira (24) pelo Departamento de Comércio do país e ainda passará por mais uma revisão antes da divulgação final.

No quarto trimestre de 2020, o PIB avançou 4,3%. No ano de 2020, o recuo do PIB foi de 3,5%.

Vale lembrar que, no terceiro trimestre, o PIB real dos EUA aumentou 33,4%, uma marca recorde no país. Enquanto que, no segundo trimestre, caiu 31,4%, em decorrência da crise do coronavírus. E no primeiro, recuou 5%.

Além disso, Na semana encerrada em 19 de junho, os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos ficaram em 411 mil, ante 418 mil da semana anterior (revisado de 412 mil). A estimativa do mercado era por 380 mil reivindicações.

Com isso, são duas semanas seguidas de números acima da projeção, após quase dois meses de decréscimo dos números. O que demonstra que o mercado de trabalho nos EUA segue demandado atenção e corrobora a tese do Federal Reserve (Fed) de que a economia ainda precisa de estímulos.

A média móvel de quatro semanas foi de 397,750 mil, com aumento de 1,5 mil em relação à média revisada da semana anterior.

Os dados econômicos fizeram os investidores sorrir, mas nada como o acordo que Joe Biden conseguiu no Senado Federal.

“Temos um acordo”, afirmou satisfeito e triunfante Biden hoje na Casa Branca. “Os senadores democratas e republicanos têm a minha palavra. Vou ficar com o que propusemos e eles me deram sua palavra também”, sobre o pacote de US$ 1 trilhão para a infraestrutura do país.

Para chegar ao acordo, Biden teve que ceder. O pacote é menor do que o anunciado originalmente, mas chega a cerca de US$ 973 bilhões em cinco anos, podendo ser ampliado a US$ 1,2 trilhão em oito anos.

“Claramente não consegui tudo o que eu queria”, lamentou, mas reconheceu o esforço dos senadores: “eles deram mais do que eu achava que estavam inclinados a dar inicialmente”.

Cruzando o Atlântico, no Reino Unido, o Banco da Inglaterra manteve sua política monetária inalterada, mas prometeu monitorar o aumento da inflação. A libra esterlina caiu cerca de 0,4% em relação ao dólar, enquanto o dólar recuava diante das demais moedas.

O Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra votou por unanimidade para manter a principal taxa de empréstimo em uma baixa histórica de 0,1%, e uma maioria votou para manter as compras de ativos no nível atual de £ 895 bilhões.

Ele vem em meio a uma semana agitada para os mercados, monitorando as perspectivas para a inflação e as políticas dos bancos centrais diante do avanço da inflação em diversos países, causada pela retomada da economia.

Os mercados europeus acabaram fechando no azul, enquanto a maioria no eixo Ásia-Pacífico ficaram também positivos, algo que deve se espelhar na sessão derradeira da semana, graças ao acordo de Biden com os senadores, o que pode estimular a economia norte-americana ainda mais.

No México, o banco central decidiu hoje elevar sua taxa básica de juros de 4,0% para 4,25%, movimento análogo ao BC brasileiro, na expectativa de manter a inflação – chamada de “transitória” – sob rédea curta.

Nova York

  • S&P: +0,58%
  • Nasdaq: +0,69%
  • Dow Jones: +0,95%

Europa

  • Euro Stoxx 600 (Europa): +1,14%
  • DAX (Alemanha): +0,86%
  • FTSE 100 (Reino Unido): +0,51%
  • CAC (França): +1,22%
  • IBEX 35 (Espanha): +1,34%
  • FTSE MIB (Itália): +1,38%

Ásia e Oceania

  • Shanghai (China): +0,01%
  • SZSE Component (China): -0,40%
  • China A50 (China): +0,45%
  • DJ Shanghai (China): +0,12%
  • Hang Seng HSI (Hong Kong): +0,25%
  • SET (Tailândia): -0,40%
  • Nikkei (Japão): 0,00%
  • ASX 200 (Austrália): -0,32%
  • Kospi (Coreia do Sul): +0,30%

Brasil: ambiente político e econômico

Arthur Lira segue “passando a boiada” das pautas liberais defendidas pelo governo, mostrando que a luta pela sua eleição como presidente da Câmara dos Deputados não foi em vão.

Hoje, ele afirmou que espera votar o projeto de lei (PL) 591 de 2021, que trata da privatização dos Correios, até 17 de julho, data marcada para o recesso parlamentar.

O relator é o deputado Gil Cutrim (Republicanos-MA), cujo parecer deve ser finalizado ainda nesta semana, para então começar a discussão com os líderes.

“Ele virá ao Colégio de Líderes explicar o texto, receberá as críticas às mudanças. A partir daí, começará um périplo, um encaminhamento por todas as lideranças partidárias da Câmara. E, eu penso, até o final do último dia, antes do recesso de julho, será dia 17, nós temos a oportunidade de discutirmos e votarmos no plenário da Câmara, a privatização dos Correios”, disse.

O projeto autoriza que empresas privadas prestem serviços postais.

Hoje, só os Correios têm a exclusividade para oferecer esses serviços, embora o filé mignon, que é o serviço de entregas, não seja exclusividade da estatal.

O Portal UOL lembra que, “pelo projeto, o governo continuará a prestar uma parte dos serviços, chamada na proposta de ‘serviço postal universal’, que inclui encomendas simples, cartas e telegramas. O motivo, segundo o governo, é que a Constituição obriga a União a ter serviço postal e correio aéreo nacional”.

Economicamente falando, o Banco Central divulgou hoje seu Relatório Trimestral de Inflação, no qual apresenta projeção de IPCA a 5,8% em 2021, no cenário básico.

As projeções de curto prazo consideram variações de 0,62%, 0,39% e 0,26% para os meses de junho, julho e agosto. Caso se concretize, a inflação acumulada em doze meses irá de 8,06% em maio para 8,50% em agosto.

No entanto, a inflação projetada se reduz nos trimestres seguintes, terminando 2021 em 5,8%, 0,55 ponto porcentual acima do intervalo de tolerância. No relatório de março, a projeção era de inflação a 5% até dezembro.

Apesar do Relatório Trimestral ter trazido um tom mais neutro, preocupado em balancear pressões altistas e baixistas de inflação, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campo Neto, trouxe um tom mais hawkish, em coletiva para comentar o resultado.

A avaliação é do BTG Pactual (BPAC11), que escreveu em relatório sobre o RTI, que Campos Neto fez uma “comunicação mais hawkish, reforçando as preocupações com a contaminação das expectativas de inflação para 2022 e reiterando o objetivo do BC de ancorar o IPCA do próximo ano na meta”.

“Na coletiva de imprensa, ficou mais evidente o tom hawkish dos membros do Copom, que afirmaram suas preocupações com a contaminação das expectativas de inflação para 2022 e que utilizarão todos os instrumentos necessários de política monetária para ancorar as expectativas de IPCA”, escreveu o BTG.

Já o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revisou para cima a nova projeção do valor adicionado do setor agropecuário para 2021.

Conforme os dados divulgados ontem (23), os pesquisadores revisaram de 2,2% para 2,6% a previsão de crescimento do PIB do setor para este ano, na comparação com 2020, com crescimento de 2,7% para a produção vegetal e 2,5% para a produção animal.

O que motivou a revisão para cima foi a melhora no resultado esperado de itens importantes. Isso ocorreu tanto na produção vegetal como animal no ano. Os principais riscos dessa projeção de crescimento estão relacionados à crise hídrica. Ou seja, pode haver prejuízos a mais do que o previsto à produção vegetal. E também ao segmento da pecuária de bovinos, que ainda tem incertezas relativas à oferta e à demanda.

Por fim, o Índice de Confiança do Consumidor da FGV subiu 4,7 pontos em junho, para 80,9 pontos. Este é o maior valor desde novembro de 2020, quando era de 81,7 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice subiu 4,2 pontos após seis meses consecutivos de queda.

“A confiança dos consumidores segue trajetória de recuperação pelo terceiro mês consecutivo. Sob a ótica das famílias, a percepção é de melhora da situação atual e também das perspectivas futuras. Pela primeira vez desde julho do ano passado, a intenção de compras de bens duráveis avança de forma mais expressiva, o que parece relacionado a um maior otimismo em relação ao mercado de trabalho nos próximos meses, ainda que existam diferenças entre as faixas de renda”, afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da pesquisa.

O Índice de Situação Atual subiu 2,9 pontos, para 71,6 pontos. O Índice de Expectativas (IE) cresceu 5,9 pontos, para 88,3 pontos, ambos atingem o maior patamar desde novembro de 2020, mas ainda baixo em termos históricos

Bolsa: ações

Das 84 ações negociadas na bolsa, 65 subiram, 1 ficaram estáveis (BBDC4, SANB11 e ELET6) e as outras 20 caíram em relação à sessão anterior.

Mais negociadas

  • Vale (VALE3): R$ 111,03 (+0,14%)
  • Petrobras (PETR4): R$ 29,65 (+1,19%)
  • Itaú Unibanco (ITUB4): R$ 31,81 (+0,03%)
  • Magazine Luiza (MGLU3): R$ 21,65 (+5,20%)
  • Bradesco (BBDC4): R$ 27,24 (+0,74%)

Maiores altas

  • JHSF (JHSF3): R$ 7,84 (+6,23%)
  • Magazine Luiza (MGLU3): R$ 21,65 (+5,20%)
  • Lojas Americanas (LAME4): R$ 22,38 (+4,48%)
  • Equatorial (EQTL3): R$ 25,43 (+4,22%)
  • CSN (CSNA3): R$ 44,60 (+3,31%)

Maiores baixas

  • Banco Inter (BIDI11): R$ 69,20 (-3,45%)
  • Locaweb (LWSA3): R$ 27,08 (-2,45%)
  • Eletrobras (ELET3): R$ 45,89 (-1,31%)
  • Ecorodovias (ECOR3): R$ 12,30 (-1,28%)
  • BB Seguridade (BBSE3): R$ 24,40 (-1,21%)

Outros índices brasileiros

  • IBrX 100: +0,72% (55.672,45 pontos)
  • IBrX 50: +0,84% (21.688,77 pontos)
  • IBrA: +0,66% (5.241,40 pontos)
  • SMLL: +0,23% (3.211,53 pontos)
  • IFIX: +0,03% (2.781,25 pontos)
  • BDRX: -0,69% (12.325,76 pontos)

Commodities

Petróleo Brent (agosto)/barril

  • segunda-feira (21): +1,89% (US$ 74,90)
  • terça-feira (22): -0,12% (US$ 74,81)
  • quarta-feira (23): +0,51% (US$ 75,19)
  • quinta-feira (24): +0,49% (US$ 75,56)
  • semana: +2,77% (US$ 75,56)

Petróleo WTI (agosto)/barril

  • segunda-feira (21): +2,57% (US$ 73,12)
  • terça-feira (22): -0,37% (US$ 72,85)
  • quarta-feira (23): +0,32% (US$ 73,08)
  • quinta-feira (24): +0,30% (US$ 73,30)
  • semana: +2,82% (US$ 73,30)

Ouro (agosto)/onça-troy

  • segunda-feira (21): +0,86% (US$ 1.784,25)
  • terça-feira (22): -0,08% (US$ 1.781,45)
  • quarta-feira (23): +0,16% (US$ 1.783,40)
  • quinta-feira (24): -0,38% (US$ 1.776,70)
  • semana: +1,02% (US$ 1.783,40)

Prata (julho)/onça-troy

  • segunda-feira (21): +0,37% (US$ 26,02)
  • terça-feira (22): -0,65% (US$ 25,85)
  • quarta-feira (23): +0,98% (US$ 26,11)
  • quinta-feira (24): -0,62% (US$ 25,95)
  • semana: +0,08% (US$ 25,95)

Com Wisir Research, BDM e CNBC

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo.