Bolsa recupera 0,67%, acompanhando alta em Wall Street

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Arte / EQI

A bolsa de valores subiu 0,67% nesta segunda-feira (21), fechando com 129.264,96 pontos e acompanhando a alta dos principais índices em Wall Street, que também recuperaram-se, após uma semana negativa.

Há uma esperança renovada de que o pacote trilionário de infraestrutura de Joe Biden avance nas casas legislativas locais. Isso tem injetando ânimo nos investidores, tanto quanto o projeto injetará dinheiro na economia.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

John C. Williams, presidente do Federal Reserve de Nova York, disse hoje que a economia ainda não se recuperou o suficiente para que a instituição recue com relação aos estímulos. A indicação veio em boa hora, depois que no final da semana passada seu par de St. Louis, James Bullard apontou direção contrária, o que deu um nó no mercado mundial. Hoje, ele disse que as conversas nesse sentido “levam um tempo”.

No Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que a Medida Provisória (MP) da privatização da Eletrobras (ELET3 ELET6), aprovada quinta-feira (17) no Senado Federal, deve ser quase que totalmente abraçada pelos deputados. A MP precisa da aprovação final do Congresso até amanhã (22), quando perde a validade.

Hoje, o Ibovespa apresentou na mínima 128.047,98 pontos (-0,28%); e na máxima, 129.412,49 pontos (+0,78%).

O volume financeiro negociado foi de R$ 26,700 bilhões.

Confira a evolução do Ibovespa na semana, em cada fechamento de sessão:

  • segunda-feira (21): +0,67% (129.264,96 pontos)
  • semana: +0,67%
  • junho: +2,42%
  • 2021: +8,61%

Juros

  • D1F22: -0,80% para 5,58%
  • D1F23: -1,18% para 7,11%
  • D1F24: +1,39% para 7,80%
  • D1F25: -1,56% para 8,19%
  • D1F26: -1,41% para 8,41%
  • D1F27: -1,48% para 8,64%
  • D1F28: -1,67% para 8,81%
  • D1F29: -1,54% para 8,93%
  • D1F30: +2,02% para 9,08%
  • D1F31: -1,61% para 9,17%

Dólar

O dólar começou a semana recuando. A moeda norte-americana caiu 0,91% e passou a valer R$ 5,0227.

  • segunda-feira (21): -0,91% a R$ 5,0227
  • semana : -0,91% a R$ 5,0227

Euro

  • segunda-feira (21): -0,95% a R$ 5,9854
  • semana: -0,95% a R$ 5,9854

Criptomoedas*

  • Bitcoin: -6,36% a R$ 164.102,39
  • Ethereum: -10,87% a R$ 9.799,16
  • Tether: +1,80% a R$ 5,03
  • Cardano: -10,58% a R$ 6,39
  • Binance: -9,19% a R$ 1.509,79

*(variação nas últimas 24h – corte: 17h)

Bolsa em Nova York e cenário mundial

As ações em Wall Street subiram, com o mercado recuperando algumas das perdas acentuadas causadas pela insinuação de mudança de política monetária do Federal Reserve.

As ações caíram na semana passada com os investidores digeriam novas projeções econômicas do Fed e preocupando-se com a possibilidade de aumentos nas taxas antes do esperado. O banco central elevou na quarta-feira suas expectativas de inflação e projeções de aumento das taxas em 2023.

“A venda inspirada pelo Fed parece que foi exagerada”, disse Fiona Cincotta, analista sênior de mercados financeiros do City Index, para a CNBC. “A mudança repentina do Fed na semana passada, com dois aumentos nas taxas de juros agora esperados para 2023, pegou o mercado desprevenido”.

O presidente do Fed de St. Louis, Jim Bullard, disse na sexta-feira que era natural para o banco central se inclinar um pouco mais para “hawkish” e ver taxas de juros mais altas logo em 2022. Ele disse que a diminuição dos estímulos já estavam em conversa. Hoje, mudou o tom e disse que tais conversas ainda demoram.

Já John C. Williams, presidente do Federal Reserve de Nova York, disse hoje que a economia ainda não se recuperou o suficiente para que a instituição recue com relação aos estímulos.

William enxerga inflação nos EUA na casa dos 3,00% em 2021 e de 2,00% no ano seguinte, dentro do esperado pelo governo.

O Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano, depois de sofrer com a pandemia de Covid-19, deve crescer em torno de 7,00% em 2021, segundo o economista.

O mercado foi resiliente em face de uma queda nos mercados asiáticos e um grande declínio no bitcoin. De fato, não foi um bom dia para os mercados na Ásia é Pacífico.

O bitcoin sofreu com a força da China em continuar sua repressão à mineração de criptomoedas.

Por outro lado, os investidores na Europa se mostraram com melhor humor e predisposição para a compra. Os mercados no Velho Continente fecharam todos no azul.

O comércio instável na Europa segue movimentos semelhantes em outros lugares. Depois de cair drasticamente no início das negociações de pré-mercado, houve recuperação.

Nova York

  • S&P: +1,40%
  • Nasdaq: +0,79%
  • Dow Jones: +1,76%

Europa

  • Euro Stoxx 600 (Europa): +0,71%
  • DAX (Alemanha): +1,00%
  • FTSE 100 (Reino Unido): +0,64%
  • CAC (França): +0,51%
  • IBEX 35 (Espanha): +0,23%
  • FTSE MIB (Itália): +0,71%

Ásia e Oceania

  • Shanghai (China): +0,12%
  • SZSE Component (China): +0,40%
  • China A50 (China): -0,69%
  • DJ Shanghai (China): -0,12%
  • Hang Seng HSI (Hong Kong): -0,96%
  • SET (Tailândia): -0,73%
  • Nikkei (Japão): -3,29%
  • ASX 200 (Austrália): -1,81%
  • Kospi (Coreia do Sul): -0,83%

Brasil: ambiente político e econômico

O Boletim Focus de hoje trouxe novas projeções de aumento para Selic, inflação e PIB em 2021.

Divulgado pelo Banco Central, com as expectativas do mercado, o Focus apontou uma segunda alta consecutiva da taxa básica de juros, que deve chegar a 6,50% até dezembro. Era 6,25% há uma semana e 5,50% há quatro semanas.

A projeção para a inflação teve sua 11ª alta consecutiva, chegando a 5,90%. Era 5,82% há uma semana e 5,24% há um mês.

Já o Produto Interno Bruto (PIB) teve a expectativa revista para cima pela nona semana consecutiva, atingindo 5% até dezembro. Era 4,85% há uma semana e 3,52% há quatro semanas.

A projeção para a taxa de câmbio, por sua vez, recuou: foi de R$ 5,18 da semana passada para R$ 5,10. Era R$ 5,30 há uma semana.

A penúltima semana de junho terá como foco as divulgações do Banco Central. Na semana passada, o Copom decidiu aumentar a taxa de juros Selic para 4,25% ao ano.

Nesta semana, na terça-feira, sai a ata do Copom com comentários sobre a decisão. A alta de 0,75 pontos na última reunião deve ser repetida no encontro de agosto. Algumas casas chegam a apostar em uma Selic a 7% ao ano no fim de 2021.

A semana ainda tem, na terça (22), Zona do Euro e a Confiança do consumidor; Sondagem industrial em junho, nos EUA; e Sondagem industrial de maio, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Na quarta (23), saem PMI Industrial e de Serviços, na Alemanha, EUA e zona do euro; IPC-S da 3ª quadrissemana; entre outros.

No dia seguinte, tem a Sondagem da indústria de construção, da CNI, e sondagem do consumidor em junho, da Fundação Getulio Vargas (FGV); além do relatório trimestral de inflação, do Banco Central do Brasi; reunião do Banco Central inglês; Balança Comercial de maio e sondagem industrial, nos EUA; além de dois dados que devem manter a atenção, PIB do 1º trimestre e pedidos de auxílio desemprego, nos EUA.

Por fim, na sexta (25), o investidor deve ficar atento à confiança do consumidor, na Alemanha; índices de inflação como IPC, INCC-M e IPCA-15; além de dados de renda e gasto pessoal, nos EUA.

No campo político, o modelo de desestatização da Eletrobras (ELET3 ELET6) prevê a emissão de novas ações da empresa, que serão vendidas no mercado sem a participação da União, resultando na perda do controle acionário de voto mantido atualmente por ela. Cada acionista, individualmente, não poderá deter mais de 10% do capital votante da empresa. A União terá uma ação de classe especial (golden share) que lhe garante poder de veto em decisões da assembleia de acionistas.

A MP foi aprovada com dispositivos introduzidos pela Câmara dos Deputados que preveem que o governo federal patrocine, pelos próximos 15 anos, a contratação de usinas termelétricas a gás natural em regiões do interior do país onde hoje não existe esse fornecimento. O senador Marcos Rogério, porém, removeu a regra que tornava esse processo uma condição para o processo de desestatização.

Para o relator, a aprovação dessa medida provisória fortalecerá a Eletrobras e ao mesmo tempo manterá a União como um ator importante na gestão do setor elétrico.

Ele afirmou que o modelo atual de controle estatal deixou estagnada a geração de energia, o que poderá ser revertido com a MP: “A capitalização da Eletrobras devolve a ela o protagonismo no setor elétrico e a capacidade real de investimento para modernização do parque de geração e de transmissão, com foco, sobretudo, na redução do preço da energia”.

O Brasil ainda se preocupa com o avanço da pandemia sobre seu território e cidadãos. No sábado (19), o país chegou a terrível marca de 500 mil mortos pela doença. Só a vacina pode reverter o quadro, que vai piorando: o país voltou a beiras os 100 mil novos casos diários, semana passada, o que pode resultar, mais para frente, em mais mortes. A dita “terceira onda” pode chegar com força, junto com o inverno, que começou nesta segunda-feira (21), a 0:32h da madrugada.

Bolsa: ações

Das 84 ações negociadas na bolsa, 60 subiram, 1 ficou estável (IRBR3) e as outras 23 caíram em relação à sessão anterior.

Mais negociadas

  • Vale (VALE3): R$ 110,11 (+0,94%)
  • Petrobras (PETR4): R$ 28,95 (+2,22%)
  • Itaú Unibanco (ITUB4): R$ 32,45 (+0,46%)
  • Via (VVAR3): R$ 15,75 (+3,82%)
  • Bradesco (BBDC4): R$ 27,67 (+0,25%)

Maiores altas

  • Pão de Açúcar (PCAR3): R$ 40,38 (+7,88%)
  • Cogna (COGN3): R$ 4,80 (+5,03%)
  • CVC (CVCB3): R$ 28,21 (+4,91%)
  • Via (VVAR3): R$ 15,75 (+3,82%)
  • Eletrobras (ELET6): R$ 47,42 (+3,42%)

Maiores baixas

  • Notre Dame Intermédica (GNDI3): R$ 84,67 (-2,32%)
  • Energias do Brasil (ENBR3): R$ 18,80 (-1,93%)
  • Carrefour (CRFB3): R$ 21,65 (-1,91%)
  • B3 (B3SA3): R$ 17,07 (-1,78%)
  • Engie (ENGI11): R$ 47,75 (-1,55%)

Outros índices brasileiros

  • IBrX 100: +0,70% (55.409,24 pontos)
  • IBrX 50: +0,70% (21.547,45 pontos)
  • IBrA: +0,70% (5.217,81 pontos)
  • SMLL: +1,27% (3.224,79 pontos)
  • IFIX: -0,08% (2.811,17 pontos)
  • BDRX: -0,28% (12.436,57 pontos)

Commodities

Petróleo Brent (agosto)/barril

  • segunda-feira (21): +1,89% (US$ 74,90)
  • semana: +1,89% (US$ 74,90)

Petróleo WTI (agosto)/barril

  • segunda-feira (21): +2,57% (US$ 73,12)
  • semana: +2,57% (US$ 73,12)

Ouro (agosto)/onça-troy

  • segunda-feira (21): +0,86% (US$ 1.784,25)
  • semana: +0,86% (US$ 1.784,25)

Prata (julho)/onça-troy

  • segunda-feira (21): +0,17% (US$ 26,01)
  • semana: +0,17% (US$ 26,01)

Com Wisir Research, BDM e CNBC

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3