Bolsa perde 1,44%, antes do Copom, zerando os ganhos da semana

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Arte / EQI

A bolsa de valores voltou a cair com força. Nesta quarta-feira (4), perdeu 1,44%, ficando com 121.801,21 pontos. O índice nacional acompanhou os movimentos de Wall Street, cujos principais índices acabaram no vermelho, com exceção do Nasdaq, que vem se beneficiado da crise sanitária que se abateu mundialmente.

Há uma certa confusão entre os agentes do mercado e não é para menos. Entre dados bons e ruins, os Estados Unidos comprometeram uma análise mais cristalina para os investidores durante todo o dia: enquanto os PMI de serviços e composto sobem acima do esperado, a geração de empregos foi um balde gelado nas empolgações de que a economia estivesse com caminho aberto para a recuperação. Não está tão simples assim.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

No Brasil, reforma tributária, balanços de grandes empresas (Bradesco, BBDC3 BBDC4, entre elas), risco fiscal e reunião do Copom seguem embalando ou abalando convicções.

Hoje, o Ibovespa apresentou na mínima 121.071,83 pontos (-2,03%); e na máxima, 123.586,94 pontos (+0,008%).

O volume financeiro negociado foi de R$ 30,200 bilhões.

Confira a evolução do Ibovespa na semana, em cada fechamento de sessão:

  • segunda-feira (2): +0,59% (122.515,74 pontos)
  • terça-feira (3): +0,87% (123.576,56 pontos)
  • quarta-feira (4): -1,44% (121.801,21 pontos)
  • semana: -0,002%
  • agosto: -0,002%
  • 2021: +2,33%

Juros

  • D1F22: +0,01 p.p. para 6,35%
  • D1F23: +0,01 p.p. para 7,89%
  • D1F24: +0,01 p.p. para 8,50%
  • D1F25: -0,01 p.p. para 8,79%
  • D1F26: +0,01 p.p. para 8,94%
  • D1F27: +0,02 p.p. para 9,10%
  • D1F28: +0,05 p.p. para 9,23%
  • D1F29: +0,01 p.p. para 9,31%
  • D1F30: -0,05 p.p. para 9,39%
  • D1F31: +0,01 p.p. para 9,48%

Dólar

O dólar recuou nesta quarta. A moeda norte-americana perdeu 0,13% e passou a valer R$ 5,1858.

  • segunda-feira (2): -0,86% a R$ 5,1653
  • terça-feira (3): +0,53% a R$ 5,1927
  • quarta-feira (4): -0,13% a R$ 5,1858
  • semana: -0,33%

Euro

  • segunda-feira (2): -0,75% a R$ 6,1408
  • terça-feira (3): +0,37% a R$ 6,1633
  • quarta-feira (4): -0,43% a R$ 6,1367
  • semana: -0,81%

Criptomoedas*

  • Bitcoin: +6,90% a R$ 206.355,89
  • Ethereum: +11,77% a R$ 13.976,51
  • Tether: +1,83% a R$ 5,18
  • Cardano: +3,34% a R$ 7,18
  • Binance: +6,34% a R$ 1.734,67

*(variação nas últimas 24h – corte: 17h)

Bolsa em Nova York e cenário mundial

As ações em Wall Street caíram após um relatório de empregos do setor privado virem abaixo do esperado.

Hoje foi divulgada a pesquisa ADP/Moody’s, considerada uma prévia do payroll (folha de pagamentos oficial americana), com a diferença de que ela não contabiliza os cargos públicos.

Foram criadas 330 mil novas vagas no setor privado em julho, bem abaixo das 695 mil aguardadas pelo mercado. Em junho, foram 680 mil (revisadas de 692 anunciadas anteriormente). Já para o payroll, que sai na sexta (6), a projeção é acima de 900 mil vagas. Mas a realidade pode ser outra, dependendo da força de contratação do governo.

Segundo a ADP, foram criadas 12 mil vagas no setor industrial. E 318 mil no de serviços, com destaque principalmente para lazer e hospitalidade, que gerou 139 mil postos de trabalho, seguido por educação e saúde (64 mil).

As médias empresas, de 50 a 499 empregados, geraram mais vagas: 132 mil. As grandes, acima de 500 empregados, 106 mil. E as pequenas, 91 mil.

O relatório oficial de empregos do Departamento de Trabalho, normalmente tem mais impacto junto aos investidores.

Os ganhos e os dados econômicos do segundo trimestre foram fortes em geral, mas alguns investidores estão preocupados que a recuperação diminua a partir daqui.

“No momento, acho que o mercado está avançando com um pouco de cautela com a teoria do pico triplo – o pico potencial dos ganhos, o pico do crescimento econômico e o pico potencial do estímulo se aproximando, tanto fiscalmente quanto de uma perspectiva monetária”, disse à CNBC Chris Osmond, diretor de investimentos da Prime Capital Investment Advisors.

“Embora os ganhos e o crescimento possam estar chegando ao pico, isso não significa que vão ficar negativos, apenas desacelerar”, acrescentou Osmond.

O rendimento do Tesouro de 10 anos foi negociado em alta, perto de 1,8%, depois de cair abaixo de 1,13% no início da sessão. Nas últimas semanas, os rendimentos mais baixos dos títulos tenderam a definir um tom mais negativo para as ações, gerando preocupações sobre o ritmo da recuperação econômica, embora essa relação pareça ter se rompido hoje.

O petróleo também vem recuando fortemente nesta semana, com baixas contundentes.

Já o PMI (significa Índice dos Gerentes de Compras) dos Estados Unidos (EUA) de julho, subiu acima do esperado. Isto ocorreu tanto no setor de serviços quanto no composto.

De acordo com a pesquisa, este foi o maior aumento da atividade empresarial desde fevereiro.

O PMI de serviços ficou em 59,9 pontos frente a um consenso de 59,7 pontos. Já o composto atingiu o mesmo número, diante de um consenso de 59,8 pontos. Leituras superiores a 50 pontos indicam crescimento da atividade.

Na sondagem anterior, feita pela IHS Markit, os indicadores ficaram abaixo do esperado, com exceção do industrial.

Chris Williamson, economista-chefe de negócios da IHS Markit, afirmou que os dados indicam que o Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano deve crescer no terceiro trimestre de forma robusta.

Por outro lado, o PMI Composto apresentou uma expansão mais suave, em meio a uma retomada mais lenta da atividade do setor de serviços. Foi portanto, mais acelerada do que a média da série.

Os principais índices da Ásia-Pacífico avançaram na última sessão, com exceção do Japão, já que uma pesquisa privada mostrou que o crescimento da atividade de serviços na China acelerou em julho. No entanto, o rápido aumento de infecções por Covid-19 em toda a região está mantendo o otimismo contido.

Na Europa, as leituras finais do PMI mostraram a atividade de negócios da zona do euro em alta em julho, com a expansão mais rápida em 15 anos. O PMI composto final, visto como um indicador útil da saúde econômica, subiu para 60,2 em relação aos 59,5 de junho. A marca de 50 separa o crescimento da contração.

A história foi diferente no Reino Unido, onde o PMI composto caiu drasticamente para 59,2 em relação aos 62,2 de junho, depois que os serviços foram atingidos por centenas de milhares de trabalhadores atingidos pela variante delta.

Nova York

  • S&P: -0,46%
  • Nasdaq: +0,13%
  • Dow Jones: -0,92%

Europa

  • Euro Stoxx 600 (Europa): +0,65%
  • DAX (Alemanha): +0,88%
  • FTSE 100 (Reino Unido): +0,26%
  • CAC (França): +0,33%
  • IBEX 35 (Espanha): +0,23%
  • FTSE MIB (Itália): +0,53%

Ásia e Oceania

  • Shanghai (China): +0,85%
  • SZSE Component (China): +1,72%
  • China A50 (China): -0,10%
  • DJ Shanghai (China): +0,81%
  • Hang Seng HSI (Hong Kong): +0,88%
  • SET (Tailândia): +0,35%
  • Nikkei (Japão): -0,21%
  • ASX 200 (Austrália): +0,38%
  • Kospi (Coreia do Sul): +1,34%

Brasil: ambiente político e econômico

O PMI de serviços no Brasil, assim como dos EUA, mostra que a forte recuperação no volume de novos negócios levou a produção de serviços à maior expansão desde o início de 2013, com o setor mantendo trajetória de crescimento em julho.

Conforme a pesquisa do IHS Markit, o PMI de serviços subiu a 54,4 em julho, de 53,9 em junho. É o segundo aumento seguido na produção e o mais rápido em oito anos e meio. Leitura acima de 50 indica expansão.

Os participantes da pesquisa informaram que a recuperação se deveu à conquista de novos clientes, ao fortalecimento da demanda e à suspensão de algumas restrições locais.

“Alguns dos obstáculos da Covid-19 enfrentados pelos prestadores de serviços diminuíram em julho. Com as condições da demanda melhorando devido à diminuição das restrições locais e a maior acesso à vacina”, explicou em nota Pollyanna De Lima, diretora associada de Economia da IHS Markit.

No campo político, o relator do projeto da reforma do Imposto de Renda, Celso Sabino (PSDB-PA), busca acelerar a votação, tentando aprovar um requerimento de urgência. A ideia levar ao plenário ainda nesta semana, mas o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), diss que provavelmente acontecerá na terça-feira (10), dependendo dos líderes partidários.

O ponto mais importante do projeto é o que reduz a alíquota de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) dos atuais 15% para 7,5%, já a partir de 1º de janeiro 2022.

A redução pode ser ainda maior, de 2,5 pontos adicionais, caso a arrecadação do governo em 12 meses supere a receita apurada em 2019, corrigida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país.

Caso essa meta seja atingida e o governo, no ano seguinte, em 2022, não tiver perda de receita, a partir de 1º de janeiro de 2023, o IPRJ pode chegar a 2,5%.

O relator prevê um decréscimo de arrecadação de pouco mais de R$ 74 bilhões em 2022 e de pouco mais de R$ 98 bilhões a partir de 2023.

O decréscimo seria compensado por fim de benefícios tributários, que, segundo analistas, não seriam suficientes para cobrir tal perda de entrada. O relator, então, buscou as travas comparativas anuais descritas acima e alíquotas maiores para alguns setores.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) finaliza hoje sua reunião de dois dias e divulga o resultado a partir das 18h (logo após a publicação deste texto). E do anúncio sairá a decisão quanto à taxa básica de juros (Selic).

A expectativa prioritária do mercado é por uma quarta alta sequencial da Selic.

Mas, agora, as apostas predominantes são de que o comitê abandone os reajustes de 0,75 ponto porcentual e seja mais agressivo na correção: aumente a Selic em 1%. O que levaria a taxa de juros dos atuais 4,25% para 5,25%.

Vale lembrar que, na reunião de março, o Copom promoveu a primeira alta da taxa de juros em seis anos, depois de ela se manter sete meses em 2%, a mais baixa já registrada. Novamente, em maio, veio mais um ajuste de 0,75 ponto porcentual. E em junho, a repetição dos 0,75.

Bolsa: ações

Das 84 ações negociadas na bolsa, 16 subiram e todas as outras 68 caíram em relação à sessão anterior.

Mais negociadas

  • Bradesco (BBDC4): R$ 23,45 (-4,36%)
  • Petrobras (PETR4): R$ 26,28 (-2,12%)
  • Vale (VALE3): R$ 112,52 (-0,11%)
  • Itaú Unibanco (ITUB4): R$ 29,91 (-2,79%)
  • Usiminas (USIM5): R$ 21,39 (+4,60%)

Maiores altas

  • Usiminas (USIM5): R$ 21,39 (+4,60%)
  • Klabin (KLBN11): R$ 24,99 (+2,04%)
  • Natura (NTCO3): R$ 55,15 (+1,25%)
  • Totvs (TOTS3): R$ 36,94 (+1,21%)
  • CSN (CSNA3): R$ 45,43 (+1,07%)

Maiores baixas

  • Bradesco (BBDC4): R$ 23,45 (-4,36%)
  • Cosan (CSAN3): R$ 24,55 (-4,06%)
  • Petrobras (PETR3): R$ 26,70 (-3,61%)
  • Locamerica (LCAM3): R$ 26,18 (-3,54%)
  • Bradesco (BBDC3): R$ 20,20 (-3,53%)

Outros índices brasileiros

  • IBrX 100: -1,26% (52.857,54 pontos)
  • IBrX 50: -1,29% (20.624,80 pontos)
  • IBrA: -1,26% (4.984,64 pontos)
  • SMLL: -1,28% (2.948,42 pontos)
  • IFIX: -0,28% (2.792,66 pontos)
  • BDRX: -0,03% (13.435,53 pontos)

Commodities

Petróleo Brent (outubro)/barril

  • segunda-feira (2): -3,34% (US$ 72,89)
  • terça-feira (3): -0,66% (US$ 72,41)
  • quarta-feira (4): -2,80% (US$ 70,38)
  • semana: -6,81%

Petróleo WTI (setembro)/barril

  • segunda-feira (2): -3,64% (US$ 71,26)
  • terça-feira (3): -0,98% (US$ 70,56)
  • quarta-feira (4): -3,42% (US$ 68,15)
  • semana: -7,74%

Ouro (dezembro)/onça-troy

  • segunda-feira (2): +0,05% (US$ 1.818,05)
  • terça-feira (3): -0,48% (US$ 1.813,45)
  • quarta-feira (4): +0,02% (US$ 1.813,70)
  • semana: -0,41%

Prata (setembro)/onça-troy

  • segunda-feira (2): -0,14% (US$ 25,51)
  • terça-feira (3): +0,18% (US$ 25,62)
  • quarta-feira (4): -0,49% (US$ 25,46)
  • semana: -0,45%

Com Wisir Research, BDM e CNBC

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3