Expectativa positiva gera rotação de carteiras na bolsa; veja outras notícias

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

As notícias a respeito de avanços nos testes de vacina contra a Covid-19 mudaram a dinâmica na bolsa de valores, que já subiu 14% em novembro.

Setores que foram penalizados começam a se recuperar, motivando uma rotação nas carteiras, enquanto aqueles que subiram muito passam por correção. De acordo com o jornal Valor Econômico, esse movimento deve se manter nos próximos dias.

Pandemia reduz nível de ocupação a menor patamar em 28 anos

A crise derivada da pandemia de Covid-19 teve forte impacto no mercado de trabalho brasileiro em 2020, fazendo o nível da ocupação — taxa que calcula a proporção de pessoas ocupadas dentro da população em idade de trabalhar— despencar e atingir o menor patamar em 28 anos, de 46,8%, conforme informou a Folha de S.Paulo.

Simule o rendimento de seus investimentos em Renda Fixa e calcule retorno das aplicações

O nível de ocupação é o pior desde 1992, quando tem início a série histórica organizada pela IDados.

Incerteza fiscal pressiona juro futuro

O aumento da incerteza quanto aos rumos da economia brasileira e morosidade no andamento de pautas importante no Congresso têm levado o mercado a exigir prêmios de risco cada vez mais elevados. Isso vem aumentando a diferença entre os juros longos e os de mais curto prazo. As informações são do jornal Valor.

Segundo levantamento do J.P.Morgan, esse spread atingiu 5,89 pontos percentuais ao final da semana passada, o

Pix movimenta R$ 9,3 bilhões em transações

Em sua primeira semana de operação, o Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, atingiu aproximadamente R$ 9,3 bilhões em um total de 12,2 milhões de transações, de acordo com dados do BC.

Governo estuda saída legal se tiver de manter auxílio

A equipe chefiada pelo ministro Paulo Guedes estuda como pode estender o pagamento do auxílio caso se confirme a extensão dos impactos da pandemia de Covid-19 no início de 2021, conforme informou o Estadão. Guedes afirmou nesta segunda-feira (24) que, em caso de uma segunda onda da covid-19, o governo sabe a parcela da população que “realmente precisa” continuar recebendo o auxílio.

No entanto, a principal dúvida da equipe econômica é como estender o pagamento do benefício sem furar o teto de gastos, regra que proíbe que as despesas cresçam acima da inflação.

De acordo com o Valor, se mantido, o benefício deverá ser de menor valor. Hoje está em R$ 300.

Atualização Covid-19

O Brasil teve 302 óbitos confirmados por Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total de vítimas a 169.485. Os novos casos positivados foram 16.207, de um total de 6.087.608 milhões.

Leia Mais

Teste de impairment: para que serve e qual a sua importância?

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.