Bolsa: Carrefour (CRFB3) tem a maior alta nesta quarta-feira e IRB Brasil (IRBR3), a baixa

Karin Barros
Jornalista com atuação nos dois principais jornais impressos da Grande Florianópolis por quase 10 anos. Costumo dizer que sou viciada em informação, por isso me encantei com a economia, que une tudo de alguma forma sempre. Atualmente também vivo intensamente o mundo da assessoria de imprensa e do PR.
1

A maior alta do pregão nesta quarta-feira (24) foi do Carrefour (CRFB3) com 12,76% para R$ 21,73.

A pandemia descontrolada, que bateu nesta quarta 300 mil mortes, derrubou varejistas, mas o Carrefour (CRFB3) se livrou, reflexo do anúncio de compra da varejista Big Brasil, por R$ 7,5 bilhões.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Segundo o Research do BTG Pactual, a compra irá expandir as operações do Carrefour em regiões com pouca penetração, como Nordeste e Sul do Brasil, e reforçará a presença em formatos antes menores para o Carrefour, em particular supermercados (Bompreço e Nacional), de descontos (Todo Dia) e no novo segmento de membros (Sam´s Club).

Já a grande queda ficou com a IRB Brasil (IRBR3), que ontem foi a mais alta, com -6,20% para R$ 6,05.

Blue chips seguraram queda maior

A recuperação do petróleo não foi suficiente para segurar a desaceleração de Petrobras PN (PETR4), que fechou em +0,09% e ON (PETR3), em -0,09%, mas ajudou a limitar baixa, assim como Vale (VALE3), uma das 15 únicas altas no fechamento, em +2,30%.

Desempenho dos bancos também prejudicou. Itaú (ITUB4) perdeu 1,74%; Bradesco ON (BBDC3), -1,58% ; Bradesco PN (BBDC4), -1,03%.

Celulose

A alta da moeda americana e o reajuste do preço da celulose na China, EUA e Europa elevou Suzano (SUZB3) a +2,63%.

A empresa informou que planeja investir R$ 2 bilhões em modernização industrial até 2024 e aumentará o preço da celulose a partir de abril para os mercados da China, Europa e América do Norte.