Bolsa de valores cai 0,90% em dia de confusão na CPI da Covid

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Arte / EQI

A bolsa de valores foi ladeira abaixo neste primeiro dia do segundo semestre: caiu 0,90% – mas podia ser pior, como se viu no decorrer da sessão. Nesta quinta-feira (1º), ficou com 125.666,19 pontos. O movimento nacional ficou na contramão dos principais índices em Nova York, que desfrutaram um dia de altas gerais.

Os investidores se viram confusos, como todos os brasileiros, diante do depoimento do policial militar Luiz Paulo Dominguetti Pereira na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as ações do governo federal no combate à pandemia. Ele apresentou um áudio adulterado garantindo que o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) procurou a empresa Davati Medical Suppy, empresa que o PM disse representar, para negociar a compra de vacinas. Dominguetti é quem fez denúncia de que o Ministério da Saúde pediu US$ 1 para cada dose de vacina que seria comprada do consórcio Universidade de Oxford e AstraZeneca.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

O clima político no mínimo estranho chegou a nublar a divulgação do Caged hoje, que mostrou a criação de mais de 280 mil empregos formais. Nos Estados Unidos, nessa mesma seara, o número de pedidos de seguro-desemprego veio abaixo da expectativa.

Hoje, o Ibovespa apresentou na mínima 124.993,64 pontos (-1,43%); e na máxima, 127.203,61 pontos (-0,32%).

O volume financeiro negociado foi de R$ 31,900 bilhões.

Confira a evolução do Ibovespa na semana, em cada fechamento de sessão:

  • segunda-feira (28): +0,14% (127.429,17 pontos)
  • terça-feira (29): -0,08% (127.327,44 pontos)
  • quarta-feira (30): -0,41% (126.801,66 pontos)
  • quinta-feira (1º): -0,90% (125.666,19 pontos)
  • semana: -1,26%
  • julho: -0,90%
  • 2021: +5,64%

Juros

  • D1F22: +0,26% para 5,70%
  • D1F23: +0,64% para 7,12%
  • D1F24: +1,23% para 7,81%
  • D1F25: +1,36% para 8,17%
  • D1F26: +1,45% para 8,39%
  • D1F27: +1,06% para 8,58%
  • D1F28: +1,16% para 8,74%
  • D1F29: +1,25% para 8,88%
  • D1F30: +1,07% para 9,00%
  • D1F31: +1,11% para 9,09%

Dólar

O dólar abriu o segundo semestre subindo e voltado a ficar acima de R$ 5. A moeda norte-americana ganhou 1,45% e passou a valer R$ 5,0453.

  • segunda-feira (28): -0,19% a R$ 4,9283
  • terça-feira (29): +0,28% a R$ 4,9419
  • quarta-feira (30): +0,63% a R$ 4,9732
  • quinta-feira (1º): +1,45% a R$ 5,0453
  • semana : +2,17% a R$ 5,0453

Euro

  • segunda-feira (28): -0,26% a R$ 5,8719
  • terça-feira (29): +0,39% a R$ 5,8950
  • quarta-feira (30): -0,08% a R$ 5,8903
  • quinta-feira (1º): +1,57% a R$ 5,9830
  • semana: +1,78% a R$ 5,9830

Criptomoedas*

  • Bitcoin: -3,19% a R$ 168.189,11
  • Ethereum: -4,72% a R$ 10.702,09
  • Tether: +1,90% a R$ 5,05
  • Cardano: -2,39% a R$ 6,71
  • Binance: -2,64% a R$ R$ 1.445,69

*(variação nas últimas 24h – corte: 17h)

Bolsa em Nova York e cenário mundial

Os principais índices em Nova York subiram nesta primeira sessão do segundo semestre, com os investidores digerindo novos dados econômicos que apontam para a continuidade do crescimento econômico.

Os novos pedidos de seguro-desemprego nos EUA foram divulgados hoje) e vieram em 364 mil. A expectativa do mercado era por avanço maior, de 390 mil.

Houve uma diminuição de 51 mil em relação ao nível revisado da semana anterior. Este é o nível mais baixo para reivindicações desde 14 de março de 2020, quando era de 256 mil. O nível da semana anterior foi revisado para cima em 4 mil, de 411 mil para 415 mil.

O resultado do seguro-desemprego vem um dia antes do payroll, folha de pagamentos oficial dos EUA, que deve dar novas pistas sobre a retomada do emprego e o caminho que o Fed deve tomar com sua política monetária. Resultados acima da projeção tendem a pressionar por retirada de estímulos.

Além disso, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos ficou estável em junho, em relação ao mês de maio. A marcação foi de 62,1 pontos.

A projeção do mercado era por leitura maior, de 62,6 pontos. Os dados foram divulgados pela IHS Markit.

O resultado manteve o indicador em seu maior patamar de toda a série histórica, iniciada em maio de 2007.

Já índice de manufatura de junho do Institute for Supply Management mostrou uma expansão que estava quase em linha com as expectativas, e o Congressional Budget Office aumentou suas estimativas de crescimento econômico.

Portanto, notícias melhores sobre a pandemia, vacinas, reaberturas e crescimento econômico. A CNBC lembra que fortes primeiras metades do ano no mercado de ações, historicamente, são um bom presságio para o restante do ano. Sempre que houve um ganho de dois dígitos no primeiro semestre, o Dow e o S&P 500 nunca terminaram aquele ano com um declínio anual.

Na Europa, houve otimismo com altas da maioria dos índices, o que divergiu dos da Ásia-Pacífico, onde os mercados recuaram, uma vez que uma pesquisa privada mostrou que o crescimento da atividade fabril chinesa desacelerou em junho. Os mercados asiáticos também estão sendo afetados por preocupações com um aumento nas infecções pela Covid-19 e novos lockdowns na região.

A atividade manufatureira da zona do euro cresceu em seu ritmo mais rápido já registrado para um mês de junho, de acordo com o PMI de manufatura final da IHS Markit. A leitura de 63,4 foi maior do que a estimativa inicial de 63,1.

As fábricas do Reino Unido também aproveitaram a recuperação, embora a leitura do PMI tenha caído para 63,9, de um recorde de 65,6 em maio.

Nova York

  • S&P: +0,52%
  • Nasdaq: +0,13%
  • Dow Jones: +0,38%

Europa

  • Euro Stoxx 600 (Europa): +0,36%
  • DAX (Alemanha): +0,47%
  • FTSE 100 (Reino Unido): +1,25%
  • CAC (França): +0,71%
  • IBEX 35 (Espanha): +1,26%
  • FTSE MIB (Itália): +0,73%

Ásia e Oceania

  • Shanghai (China): -0,07%
  • SZSE Component (China): -0,81%
  • China A50 (China): +0,70%
  • DJ Shanghai (China): +0,08%
  • Hang Seng HSI (Hong Kong): -0,57%
  • SET (Tailândia): +0,38%
  • Nikkei (Japão): -0,29%
  • ASX 200 (Austrália): -0,65%
  • Kospi (Coreia do Sul): -0,44%

Brasil: ambiente político e econômico

O Brasil gerou 280,666 mil vagas de trabalho com carteira assinada em maio, segundo dados divulgados hoje pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia.

A projeção do mercado era por resultado inferior, de 157.500 postos de trabalho com carteira assinada.

O saldo de 280,666 mil é resultados das 1.548.715 contratações e dos 1.268.049 desligamentos.

Comparativamente, em abril foram abertas 116,423 mil vagas (número revisado).

No mês, o total de carteiras assinadas no país é de 40.596.340, com aumento de 0,7% em relação ao mês anterior.

No acumulado do ano, o saldo na criação de empregos formais é positivo em 1.233.372 vagas.

É, sem dúvidas, um dado para comemorar, mas o depoimento na CPI da Covid hoje, no Senado Federal, deixou as expectativas ainda em suspenso: teria o PM Luiz Paulo Dominguetti Pereira sideo plantado pelo governo federal para tumultuar os trabalhos da CPI e tirar o foco da possível corrupção orquestrada pelo líder do governo Ricardo Barros (PP-RPR), na compra do imunizante indiano Covaxin?

Ninguém sabe ainda. Mas é exatamente essa a suposição da maioria dos senadores que participaram da sessão tumultuada de hoje, que estarreceu os espectadores. Dominguetti escapou de ser preso em flagrante pela benevolência do presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM).

No final das contas, tendo sido plantado ou não, o governo federal ainda não desmentiu a tentativa de injetar propina nas propaladas 400 milhões de doses da AstraZeneca que Dominguetti alegava estar tentando vender ao Ministério da Saúde.

Lembrando que o jornal Folha de S.Paulo soltou a bomba na noite desta terça-feira (30): o diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias teria pedido a um vendedor propina de US$ 1 por dose de vacina contra a Covid-19, em troca de um contrato com o Ministério.

Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que se apresenta como representante da empresa Davati Medical Supply, foi quem fez a denúncia. Ele já está convocado para falar na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia no Senado, sexta-feira (2). O encontro com o diretor do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, aconteceu dia 25 de fevereiro de 2021, no restaurante Vasto, no Brasília Shopping.

Segundo informa o jornal paulista, “a empresa Davati buscou a pasta para negociar 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca com uma proposta feita de US$ 3,5 por cada (depois disso passou a US$ 15,5). ‘O caminho do que aconteceu nesses bastidores com o Roberto Dias foi uma coisa muito tenebrosa, muito asquerosa’, disse Dominguetti”.

Com o dólar à época em R$ 5,53, o esquema daria R$ 2,212 bilhões aos corruptos instalados no governo federal.

Roberto Ferreira Dias foi exonerado na própria noite de terça (29).

Na questão dos dados, a IHS Markit divulgou sua pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI) da indústria brasileira. De acordo com os resultados, o índice avançou a 56,4 em junho, de 53,7 em maio. Este é o nível mais elevado desde fevereiro e bem acima da marca de 50, o que indica crescimento.

O crescimento do setor industrial do Brasil acelerou em junho e chegou ao maior nível em quatro meses. Houve aumento das vendas e da produção e fortalecimento da confiança, de acordo com o IHS Markit.

“Os resultados do PMI de junho apresentaram outro conjunto de desfechos positivos no setor industrial brasileiro. Apesar da batalha contínua contra outra onda de casos da Covid-19, as empresas viram seus pedidos aumentarem substancialmente em relação ao mês passado””, afirmou em nota a diretora associada da IHS Markit, Pollyanna De Lima.

Já na questão da inflação, o IPC-S fechou o mês de junho com alta de 0,64% e acumula avanço de 8,29% nos últimos 12 meses, aponta a Fundação Getulio Vargas (FGV). Houve recuo na comparação com o mesmo período de maio, quando o indicador registrava alta de 0,81%.

Na última leitura do mês, quatro das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação.

A maior contribuição partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação (-0,65% para 1,15%), com destaque para passagem aérea, cuja taxa passou de -6,72% para 12,47%.

Bolsa: ações

Das 84 ações negociadas na bolsa, 18 subiram, 1 ficou estável (CPLE6) e todas as outras 65 caíram em relação à sessão anterior.

Mais negociadas

  • Vale (VALE3): R$ 111,28 (-1,74%)
  • BR Distribuidora (BRDT3): R$ 28,60 (+7,20%)
  • Petrobras (PETR4): R$ 29,06 (-1,26%)
  • Bradesco (BBDC4): R$ 25,41 (-1,24%)
  • Lojas Renner (LREN3): R$ 42,83 (-3,17%)

Maiores altas

  • BR Distribuidora (BRDT3): R$ 28,60 (+7,20%)
  • PetroRio (PRIO3): R$ 20,54 (+5,39%)
  • Rumo (RAIL3): R$ 19,75 (+3,13%)
  • Weg (WEGE3): R$ 34,25 (+1,66%)
  • Marfrig (MRFG3): R$ 19,45 (+1,62%)

Maiores baixas

  • Locaweb (LWSA3): R$ 26,11 (-3,51%)
  • Lojas Renner (LREN3): R$ 42,83 (-3,17%)
  • Totvs (TOTS3): R$ 36,46 (-3,16%)
  • Multiplan (MULT3): R$ 22,77 (-3,11%)
  • B3 (B3SA3): R$ 16,32 (-2,97%)

Outros índices brasileiros

  • IBrX 100: -1,01% (54.286,54 pontos)
  • IBrX 50: -1,00% (21.136,21 pontos)
  • IBrA: -0,97% (5.114,98 pontos)
  • SMLL: -0,98% (3.113,81 pontos)
  • IFIX: -0,03% (2.754,03 pontos)
  • BDRX: +1,23% (12.822,21 pontos)

Commodities

Petróleo Brent (setembro)/barril

  • segunda-feira (28): -1,64% (US$ 74,14)
  • terça-feira (29): +0,19% (US$ 74,28)
  • quarta-feira (30): +0,46% (US$ 74,62)
  • quinta-feira (1º): +1,63% (US$ 75,84)
  • semana: +0,64% (US$ 75,84)

Petróleo WTI (agosto)/barril

  • segunda-feira (28): -1,54% (US$ 72,91)
  • terça-feira (29): +0,10% (US$ 72,98)
  • quarta-feira (30): +0,67% (US$ 73,47)
  • quinta-feira (1º): +2,40% (US$ 75,23)
  • semana: +1,63% (US$ 75,23)

Ouro (agosto)/onça-troy

  • segunda-feira (28): -0,14% (US$ 1.780,30)
  • terça-feira (29): -0,85% (US$ 1.765,55)
  • quarta-feira (30): +0,34% (US$ 1.769,65)
  • quinta-feira (1º): +0,29% (US$ 1.776,85)
  • semana: -0,36% (US$ 1.776,85)

Prata (julho)/onça-troy

  • segunda-feira (28): +0,58% (US$ 26,24)
  • terça-feira (29): -1,12% (US$ 25,93)
  • quarta-feira (30): +1,29% (US$ 26,20)
  • quinta-feira (1º): -0,25% (US$ 26,13)
  • semana: +0,50% (US$ 26,13)

Com Wisir Research, BDM e CNBC

Estude e compare seus investimentos em FIIs

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado