Boletim Focus revisa inflação para cima e PIB para baixo

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação/Banco Central

O boletim Focus, do Banco Central (BC), revisou para cima a projeção de inflação para o fim do ano. Para o Produto Interno Bruto (PIB), este foi revisto para baixo. Já para o dólar e a Selic, foram mantidas as estimativas.

Com relação à inflação, agora a pesquisa do BC calcula que este deve chegar a 10,12%, frente a 9,77% da semana anterior. Há quatro semanas, a projeção era de 8,96%.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Sobre o PIB, a projeção é que atinja 4,80% no fim de 2021, contra 4,88% da semana passada. Há quatro semanas, a estimativa era de 4,97%.

Para o dólar, foi mantida a projeção de R$ 5,50 da semana passada, ao passo que há quatro semanas, era de R$ 5,45. Por fim, a Selic teve a projeção de 9,25% mantida. Há quatro semanas, a estimativa era de 8,75%.

Focus

Focus em 2022, 2023 e 2024

Para o próximo ano, foram revisadas para cima a inflação e a taxa Selic. O PIB foi revisado para baixo. Apenas o dólar teve a estimativa mantida.

Com relação ao IPCA, este foi revisto para 4,96% para o ano que vem contra 4,79% da semana passada e ante 4,40% de quatro semanas antes. Para 2023 e 2024, as estimativas foram revistas para cima, podendo chegar a agora a 3,42% e 3,10%, respectivamente.

Sobre o PIB, para o ano que vem, o crescimento foi revisto para 0,70%. Há uma semana, a projeção era de 0,93% e há quatro semanas, 1,40%. Para 2023 e 2024, foram mantidas as projeções, de 2% para ambos os anos.

Sobre o dólar, foi mantida a previsão de R$ 5,50. Há quatro semanas, a pesquisa projetava a moeda norte-americana a R$ 5,45. Para 2023, foi mantida a projeção de R$ 5,30. No entanto, para 2024, foi revisada para cima, podendo chegar a R$ 5,28.

Por fim, a Selic para 2022, foi revisada para cima, para 11,25%, contra 11% da semana passada. Há quatro semanas, a projeção era de 9,50%. Para 2023 e 2024, foram mantidas as projeções, de 7,75% e 7%, respectivamente.