Boeing estende paralisação em Seattle “até segunda ordem” por causa do coronavírus

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: 3D imagery

A Boeing resolveu estender a paralisação em sua linha de produção de Seattle, nos Estados Unidos, até “segunda ordem”, ou seja, até a crise do coronavírus diminuir.

De acordo com informações do Estadão/Broadcast, a paralisação inicial da empresa, iniciada no mês passado e programada para durar duas semanas, já recebeu sinal verde para prosseguir.

Em comunicado oficial divulgado em sua página na internet, a empresa avisou que está tomando tal atitude “visando à saúde e à segurança dos funcionários”.

“Essas ações estão sendo tomadas visando a saúde e segurança dos funcionários, devido a avaliação atual da expansão da Covid-19 no estado de Washington, na confiabilidade da cadeia de suprimentos e nas recomendações adicionais das autoridades de saúde do governo”, diz o texto.

Queda nas ações

A crise do coronavírus é mais um duro golpe na Boeing, que já havia registrado quedas em suas ações por conta dos seguidos problemas nos aviões 737 MAX, proibidos de voar por causa dos últimos acidentes com as aeronaves deste modelo.

De acordo com a Dow Jones Newswires, os papéis da companhia recuaram 62% neste ano até agora, enquanto o índice Dow Jones apresentou queda de 26% no mesmo período.

Prejuízo bilionário

Segundo reportagem do portal CNN Business, a crise causada pelo Boeing 737 MAX já causou um prejuízo de R$ 18,7 bilhões à companhia.

Em janeiro, o custo estimado da crise incluiu US$ 8,3 bilhões em compensação aos clientes das companhias aéreas. E US$ 6,3 bilhões no aumento dos custos para construção do jato.

A Boeing teve de reduzir sua produção da aeronave quando a Administração Federal de Aviação suspendeu os aviões.

De acordo com dados da Boeing, os empresários esperam gastar ainda US$ 4 bilhões a mais do que o orçamento feito anteriormente.

E com os acidentes com grande número de vítimas fatais, a empresa criou um fundo de compensação de US$ 100 milhões destinados às famílias das vítimas para tentar ajudar.

 

Boeing 737 MAX recebe críticas em relatório do Congresso dos EUA

Boeing busca ajuda de curto prazo com governo