BNDES libera R$ 5 bilhões para micro, pequenas e médias empresas

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atingiu nesta sexta-feira (3) na linha de empréstimo para capital de giro o total de R$5 bilhões para micro, pequenas e médias empresas.

O montante estava previsto no plano inicial de enfrentamento ao Covid-19, apresentado pelo banco em março, no início da pandemia.

De acordo com o BNDES, já foram aprovadas 16.318 operações com 15.094 empresas, que empregam 372.800 pessoas. O valor médio por operação é de R$ 318 mil por operação.

O programa vai ser ampliado até o fim de 2020, com a liberação de mais R$5 bilhões. Isso se deve pelas incertezas quanto ao término da pandemia.

BNDES considera a iniciativa um sucesso

“Devido ao sucesso da iniciativa, e considerando a extensão da pandemia e dos impactos econômicos para as micro, pequenas e médias empresas, o Banco vai disponibilizar mais R$ 5 bilhões para novos empréstimos pela linha, que terá sua vigência ampliada de 30 de setembro para 31 de dezembro de 2020”, informou o BNDES.

Conforme o banco, o principal beneficiado pela linha de empréstimo foi o setor de comércio e serviços (79,7%). Seguido pelo de indústria de transformação (19,5%). Já o agronegócio ficou com 0,7% dos recursos e a indústria extrativista, 0,1%.

O objetivo do crédito pequenas empresas nesta segunda etapa será o mesmo, segundo o banco. “Oferecer recursos para o uso livre das empresas, de maneira simples e ágil, por meio dos agentes financeiros parceiros (cooperativas de créditos e bancos comerciais, públicos ou privados)”.

Atualmente, o BNDES conta com 31 agentes parceiros atuando nos estados.

Apenas empresas com faturamento de até R$ 300 milhões anuais podem solicita a linha de crédito.

O valor liberado é de até R$ 70 milhões por ano, com carência de até 24 meses e prazo para pagamento de 60 meses. As taxas de juros são negociadas entre a empresa e o agente financeiro.