Ex-prefeito de Nova York, Bloomberg oficializa pré-candidatura à presidência dos EUA

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Twitter

Agora é oficial. O bilionário Michael Bloomberg, 77 anos, ex-prefeito de Nova York, anunciou neste domingo (24), sua candidatura às primárias do Partido Democrata. Bloomberg é pré-candidato à presidência dos EUA.

Seu objetivo, anunciou ele, é derrotar o republicano Donald Trump nas eleições de 2020.

“Concorro à presidência para derrotar Donald Trump e para reconstruir a América. Não podemos permitir mais quatro anos de ações imprudentes e antiéticas “, disse.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

“Se Trump conseguir outro mandato, nunca poderemos nos recuperar dos danos”, enfatizou.

Para ele, sua experiência com negócios, governo e filantropia o gabarita ao cargo.

Falta de confiança nos demais candidatos

Em 2018, Bloomberg já tinha desistido de concorrer às eleições de 2020, mas voltou atrás depois de conversar com figuras proeminentes do Partido Democrata.

De acordo com seus assessores, a falta de confiança nos principais candidatos que concorrem nas primárias do Partido Democrata foram decisivas para a candidatura.

Para eles, falta firmeza ao ex-vice-presidente Joe Biden. Outro nome forte da oposição e da esquerda americana, Bernie Sanders, senador por Vermont, teria muitas propostas radicais. E a senadora Elizabeth Warren, do estado de Massachusetts, seria “rodeada de incertezas”.

Campanha paga do próprio bolso

Bloomberg reafirmou que não aceitará donativos e que financiará pessoalmente sua campanha, exatamente como fez quando concorreu e venceu para prefeito de Nova York. Sua fortuna é avaliada em mais de 54 bilhões de dólares.

Fundador e acionista majoritário da Bloomberg LP, controladora da Bloomberg News, Michael Bloomberg foi prefeito de Nova York por três vezes. Elegeu-se em 2001, pelo Partido Republicano, e foi reeleito em 2005. Em 2007, porém, por desavenças internas no partido, tornou-se independente. E ganhou nova eleição em 2009. Em 2018, se filiou ao Partido Democrata.

Em seus mandatos como prefeito, buscou fazer com que os nova-iorquinos ficassem mais saudáveis: proibiu o fumo em locais públicos e obrigou a informação das calorias em cardápios de restaurantes. Também investiu em segurança pública, dando continuidade à política de “tolerância zero” do antecessor Rudy Guiliani.

 

LEIA MAIS:

Reforma administrativa pode ficar para 2020, admite Bolsonaro

Money Week: conheça o maior evento online de investimentos do Brasil