Bitcoin: halving não altera tendência de alta da criptomoeda

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site Asiacryptotoday

Um corte pela metade e sem retorno. É o que produziu o terceiro ‘halving’, que reduziu em 50%, de 12,5 bitcoins para 6,25 bitcoins por bloco, a remuneração dos mineradores, na última segunda-feira (11).

24 horas

Em consequência, o bitcoin, antes cotado em US$ 8.529, apresentou baixa de apenas 0,36%, no período acumulado de 24 horas.

Demanda aquecida

As baixas esperadas, porém, não deverão alterar o comportamento da demanda, bem aquecida, pela moeda virtual, nos últimos anos, de acordo com previsão dos especialistas, que se baseiam na reação do mercado, após os dois primeiros halving.

Conheça a FinTwit, o maior fórum de finanças do mundo.

Hoje o Twitter é pauta na Money Week.

Correção técnica

Definida como um espécie de ‘correção técnica’, prevista no algoritmo que criou o bitcoin, o halving teria a finalidade de ‘segurar’ o processo inflacionário da moeda, sempre quando se atingisse o limite de 210 mil blocos.

Disfarce virtual

O mecanismo teria sido concebido pelo misterioso Satoshi Nakamoto, em 2008, que, para muitos, trata-se, na verdade, de apelido dado a um grupo de programadores, visando manter o anonimato em torno da origem do invento.

Discussão sem fim

Mesmo antecipado com grande antecedência, o procedimento tem acirrado discussões no mercado quanto ao seu impacto no preço da criptomoeda.

Tendência de alta

Os debates, porém, não alteram a previsão predominante entre os especialistas, que observam uma tendência de alta para o bitcoin, a despeito da grande volatilidade desse mercado atualmente.

Apostas não faltam

Não faltam apostas. Enquanto os mais otimistas falam em um ‘deva ju’ de máximas históricas, na casa dos US$ 100 mil, a maioria prefere a cautela, projetando uma ‘consolidação’ dos efeitos do halving no preço, ao longo dos seis meses ou até um ano.

‘Deja vu’

Se ocorrer o mesmo que após os dois halving anteriores, existe uma boa possibilidade de o preço do bitcoin disparar, novamente. Em 2017, a criptomoeda atingiu sua máxima histórica (US$ 20 mil).

AntPool minera

De acordo informações do site Cryptotimes, o bloco de número 630 foi minerado pelo AntPool, terceiro maior grupo de mineração na rede.

Baixa automática

Conforme publicado, na semana passada, pelo Portal EQI, ao invés de serem criadas 1.800 unidades por dia, a partir de agora serão 900.

Em 2016, a redução havia sido de 3.600 para 1.800.

Quadriênio fatal

Assim, a remuneração por bloco validado é cortada à metade, a cada grupo de 210 mil blocos na blockchain. A operação ocorre de quatro em quatro anos.

Com a conclusão do bloco de número 630 mil, o mecanismo foi acionado novamente.

Segundo a empresa inglesa Blockchain.com, o Antpool minerou 79 blocos nos últimos quatro dias.

Volume de transações

O site revelou, ainda que o bloco de número 630 mil abrangeu 3.134 transações e 0,90968084 BTC em taxas de transação. Seu volume total de transações atingiu 3311.62144322 BTC.

Modelo de escassez digital

Analistas apontam que o halving representa o ‘cerne’ do modelo de ‘escassez digital’ programado para o bitcoin. A cada evento dessa natureza, menos bitcoins são produzidos em cada bloco.

Limite congênito

Devido à essa programação, já está definido que, em sua existência, a rede bitcoin só poderá com 21 milhões bitcoins produzidos.