Bitcoin 100%: conheça o fundo lançado com exclusividade pela EQI

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.

Crédito: Reprodução/Youtube

Foi lançado na noite desta terça-feira (20), com exclusividade para os clientes da EQI Investimentos, o fundo de investimentos Hashdex Bitcoin Full 100 FIC FIM. O produto se destina ao investidor arrojado, mas que busca se expor de maneira segura e regulada ao bitcoin.

Voltado somente a investidores qualificados (que possuem investimentos financeiros acima de R$ 1 milhão), o fundo investe 100% de seu patrimônio no Hashdex Bitcoin I FIM. Que, por sua vez, investe em ativos financeiros emitidos ou negociados no exterior, em especial o bitcoin.

A aplicação mínima do fundo é de R$ 10 mil, com taxa de administração de 0,75% ao ano e sem taxa de performance.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Fundo Bitcoin 100%

Reprodução/Hashdex

Fundo Bitcoin 100%

Reprodução/Hashdex

Qual a vantagem do fundo Bitcoin 100%?

A vantagem de investir em criptoativos via fundo de investimento é que o investidor passa a contar com proteções regulatórias, além de dispor de mais simplicidade com questões tributárias e de custódia.

“A estrutura do fundo atende desde o cliente iniciante ao institucional. É mais seguro e muito mais simples acessar pela plataforma da EQI e do BTG”, diz Stefano Sergole, diretor de Distribuição da Hashdex, que participou de live promovida pela EQI.

Sergole traz no currículo passagens por relevantes instituições financeiras como BTG Pactual, Citibank e Banco Safra.

“O fato da indústria de fundos ser extremamente regulada traz confiabilidade. Você não monta um fundo de investimento da noite para o dia. Dá trabalho conseguir aprovação de CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais)”, ele diz.

Por que investir em bitcoin?

Para Sergole, o mercado está, no momento, migrando “do preconceito para a curiosidade” em relação às criptomoedas e seu principal exemplar, o bitcoin. A tendência é que, cada vez mais pessoas participem e o mercado atinja a maturidade.

“Criptomoeda, mais do que moeda, é uma inovação tecnológica, com potencial inclusive muito parecido ao da internet”, diz Sergole. Ele reforça a ideia de que, mais dia menos dia, a inovação chegará a todos os investidores.

Além disso, ele aponta, o mercado passou a olhar para o bitcoin como uma proteção contra a inflação, especialmente após a crise do coronavírus.

“Temos hoje muitos estímulos monetários, muito papel sendo colocado em circulação. Esse risco, com as criptomoedas, não existe”, ele diz.

Isto porque a rede do bitcoin (blockchain) é formada por um grupo de participantes (mineradores) que seguem um mesmo protocolo (whitepaper), onde está determinado que não serão emitidos mais do que 21 milhões de bitcoins – atualmente, já estão em circulação quase 19 milhões.

“A diversificação é mais do que nunca necessária, especialmente em ativos descorrelacionados, como as criptomoedas”, ele diz.

Sua recomendação é que todo investidor tenha alguma exposição em criptomoedas. “Pela alta volatilidade, não recomendo expor uma parcela significativa do patrimônio. Especialmente para quem está começando”, ele afirma. Mas não ter nenhuma exposição também não é o melhor caminho, complementa.

Outros fundos em criptomoedas

O Hashdex Bitcoin Full 100 FIC FIM é o quarto fundo da Hashdex, disponibilizado pela EQI e o BTG, com exposição em criptomoedas.

Há outros três fundos, para diferentes perfis de investidores e diferentes níveis de exposição em criptomoedas. Conheça todos a seguir.

Fundo Discovery

O Hashdex Criptoativos Discovery se destina ao investidor geral, que quer começar a se familiarizar com criptoativos.

Nesse fundo, apenas 20% dos recursos são alocados em criptomoeda, de acordo com as normas da CVM. O restante é investido em renda fixa.

De todas as opções, Discovery é o que possui menos volatilidade.

Fundo Explorer

O Hashdex Criptoativos Explorer se destina ao investidor qualificado. Nesse fundo, 40% dos recursos são alocados em criptoativos, de acordo com as normas da CVM, o restante é investido em renda fixa.

Voyager

Por fim, o Hashdex Criptoativos Voyager se destina ao investidor profissional.
Nesse fundo, 100% dos recursos são alocados em criptoativos, replicando a cesta de ativos do índice HDAI, da Hashdex. O aporte inicial é de R$ 100 mil.

Confira aqui a live na íntegra.

Leia também:

Bitcoin se aproxima de recorde de valorização

Bitcoin: entenda aqui como funciona a moeda virtual

Quais são as diferenças entre o bitcoin e as moedas