Biden afirma que economia dos Estados Unidos deve receber estímulos imediatos

Karin Barros
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução/Instagram Joe Biden

Joe Biden, presidente eleitos dos Estados Unidos, participou de uma reunião com dirigentes sindicais e patronais nesta segunda-feira (16). 

No evento, segundo o site G1, ele afirmou que a economia americana precisa de um estímulo rapidamente para enfrentar os efeitos da crise sanitária provocada pela pandemia de Covid-19. 

Ele também indicou que os mais ricos e as maiores empresas do país devem “pagar sua cota justa” em impostos.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Ele afirmou que um novo plano de estímulo é crítico para ajudar a economia em meio a um aumento das infecções por Covid-19, admitindo que as coisas ficarão “mais difíceis”.

Criação de empregos

Biden antecipou que seu plano econômico criará três milhões de “trabalhos bem remunerados” e que elevará o salário mínimo a US$ 15 a hora.

O presidente eleito expressou frustração com a recusa até o momento de Donald Trump em cooperar no processo de transição da Casa Branca, dizendo que “mais pessoas podem morrer” sem uma coordenação imediata no combate à pandemia.

Perguntado por jornalistas sobre a maior ameaça da obstrução de Trump a uma transição tranquila do poder, Biden chamou atenção para os riscos inerentes aos surtos do novo coronavírus.

“Mais pessoas podem morrer se não coordenarmos” em questões como a distribuição de vacinas contra a Covid-19 o mais rapidamente possível.

“Se tivermos que esperar até (o dia da posse) 20 de janeiro para começar esse planejamento, isso nos atrasará em um mês, um mês e meio”, disse Biden. “E, portanto, é importante que haja coordenação agora – agora ou o mais rápido possível”.

Contra o Covid-19

Em coletiva, conforme o colunista Jamil Chade, do UOL, Biden fez questão de insistir sobre a necessidade de proteger pessoas. Para ele, usar a máscara “é sobre ser patriotas, é sobre salvar vidas”. “Máscara salva vidas”, insistiu. 

“Estamos em uma guerra de verdade”, apontou Biden. O presidente eleito também pediu que o distanciamento social continue a ser respeitado e defendeu encontros limitados para as festas de final de ano. 

Segundo ele, não deve haver mais de dez pessoas numa casa e, mesmo assim, as pessoas devem estar protegidas. “Pensem nas suas crianças, em seus pais”, completou. 

Biden ainda sinalizou que só existe dúvida sobre a vacina por conta das declarações contrárias de Donald Trump e e acenou que, uma vez aprovada pelos órgãos de regulação, ele também será imunizado.

Leia mais

Vitória de Biden pode dificultar relação Brasil-EUA; veja mais notícias

Trump admite vitória de Biden, mas volta atrás no Twitter