BDRs da Salesforce (SSFO34) já valorizaram 90% no ano

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Divulgação/Salesforce

Empresa americana que desenvolve softwares de gestão de relacionamento com cliente, a Salesforce é listada na Nasdaq, em Nova York.  Mas seus papéis também podem ser negociados na bolsa brasileira, via BDR – Brazilian Depositary Receipts, sob o código SSFO34.  Os BDRs replicam ativos de empresas listadas no exterior e podem ser adquiridos por qualquer investidor, inclusive pessoas físicas.

De janeiro a 1º de dezembro, os papéis da Salesforce na Nasdaq tiveram valorização de 47%: passaram de US$ 166,99 para US$ 245,80.

Já os BDRs, negociados na B3, valorizaram 90%, de R$ 30,46 para R$ 58 no ano.

Aprenda a interpretar o cenário dos investimentos com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Nesta semana, a empresa anunciou uma aquisição importante, que tem potencial para abalar a gigante Microsoft. A Salesforce está em fase avançada de negociação para comprar o Slack, por US$ 27,7 bilhões.  A conclusão do negócio pode impulsionar ainda mais os papéis da companhia. Salesforce

Reprodução/Google

Salesforce

Reprodução/Nasdaq

Por dentro da Salesforce

A Salesforce é uma empresa americana de software sob demanda. É dela o CRM – Customer Relationship Management, de gestão de relacionamento com cliente, Sales Cloud, com hospedagem na nuvem.

Além desta solução, a empresa conta com outros produtos com foco em atendimento ao cliente, marketing, inteligência artificial, gestão de comunidades e criação de aplicativos.

A empresa foi fundada em 1999, por Marc Benioff, um executivo vindo da Oracle.

Atualmente, a companhia está presente em 23 países e atende 150 mil empresas com as plataformas de CRM. No Brasil, a empresa está presente desde 2013, com escritório em São Paulo.

Números da Salesforce

A provedora de software para empresas registrou uma receita de US$ 5,42 bilhões no terceiro trimestre, ante US$ 5,25 bilhões da projeção dos analistas, e US$ 5,15 bilhões do segundo trimestre de 2020.

O lucro líquido foi de US$ 1,15 centavo por ação, contra US$ 0,75 esperado pelo mercado.

No trimestre, a Salesforce se tornou uma das 30 empresas listadas no índice Dow Jones Industrial Average.

A Salesforce também lançou o Work.com for Schools, uma ferramenta para ajudar educadores a tomar decisões sobre quando retornar às salas de aula, junto com o software Salesforce Meetings, que fornece informações relacionadas a vendas feitas por chamadas de vídeo.

Aquisição do Slack

Na terça (1), quando divulgou seu resultado do terceiro trimestre, a Salesforce confirmou, como já vinha sendo veiculado pela imprensa americana, seu interesse em adquirir a plataforma colaborativa de trabalho remoto Slack.

De acordo com as informações, o acordo será fechado com metade do pagamento em ações e o restante em dinheiro. O valor pode chegar a US$ 27,7 bilhões.

A união seria está sendo comparada as fusões de LinkedIn e Microsoft, Whatsapp e Facebook, e Red Hat e IBM.

E dá continuidade à política de aquisições da Salesforce, que inclui a compra da MuleSoft em 2018, por US$ 6,5 bilhões; e da Tableau, em 2019, por US$ 15,3 bilhões.

O Slack fez sua abertura de capital em 2019, alcançando valor de mercado de US$ 23 bilhões.

A principal afetada com a compra seria a Microsoft. “Para a Microsoft, o negócio alteraria completamente o cenário e tornaria a Salesforce um competidor muito mais forte”, escreveu em nota Dan Ives, analista da Wedbush Securities. Ives se refere ao fato de que a Microsoft compete com o Slack no segmento de colaboração corporativa e com a Salesforce no mercado de computação em nuvem.

Como investir nos BDRs da Salesforce?

Os investidores brasileiros podem ter acesso aos chamados BDRs – Brazilian Depositary Receipts – da empresa.  Eles são ativos que representam ações de empresas estrangeiras.

Quem adquire um BDR está, indiretamente, participando de uma empresa no exterior. E terá direito aos dividendos distribuídos pela companhia lá fora.

Funciona mais ou menos como um fundo de investimento. O investidor não vira o dono da ação, portanto não é sócio da empresa em questão.

Para comercializar um BDR, a instituição emissora do papel adquire várias ações de empresas estrangeiras. Depois monta um “pacote” e vende partes dele aos investidores. Logo, esses títulos são como cotas.

O que é preciso fazer para investir na Salesforce?

Para adquirir BDRs, o investidor precisa procurar um banco ou uma corretora de valores autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Quer saber mais sobre como investir em BDRs ou outros ativos correlacionados ao mercado exterior? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.