Nike (NIKE34): uma das melhores empresas para enfrentar a crise; veja como investir no BDR da empresa

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

A Nike (NIKE34) é uma das marcas mais reconhecidas e visadas no mundo, seja por seus produtos, seja para investimentos. Afinal, é uma empresa que apresenta projeções bastante positivas.

Aos brasileiros, é possível investir na empresa por meio dos Brazilian Depositary Receipts, ou BDRs.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Entenda neste artigo como você pode investir na empresa e como os papéis da Nike vem se comportando.

Nike: resultados sólidos do último trimestre

A Nike, listada na Nyse, divulgou no fim de setembro os resultados financeiros fiscais do primeiro trimestre encerrado em 31 de agosto de 2021.

A receita reportada do primeiro trimestre foi de US$ 12,2 bilhões, um aumento de 16% em relação ao ano anterior.

As vendas diretas da Nike foram de US$ 4,7 bilhões, um aumento de 28% no comparativo anual. No online, as vendas da marca Nike Digital cresceram 29%.

A margem bruta aumentou 170 pontos básicos para 46,5 por cento.

O lucro diluído por ação no trimestre foi de US$ 1,16, um aumento de 22%.

As receitas do primeiro trimestre aumentaram 12%, em uma base neutra em termos de moeda, com crescimento em todos os canais, liderado pelo crescimento da Nike Direct, de 25%.

Contribuiu para o crescimento da Nike Direct a normalização do varejo físico próprio, que cresceu 24%, excedendo os níveis pré-pandêmicos do primeiro trimestre fiscal de 2020.

Os negócios da marca digital da Nike continuaram em forte crescimento, aumentando 25%, liderados pelo crescimento na América do Norte de 43%.

“A Nike é uma empresa em crescimento com uma oportunidade de mercado tão grande como nunca antes”, disse Matt Friend, vice-presidente executivo e diretor financeiro da Nike Inc.

Uma das melhores empresas para enfrentar a crise

Para o CEO da EQI, Juliano Custódio, a Nike é neste momento uma das melhores empresas para enfrentar a crise pós-Covid. “Está bem capitalizada e sabe lidar com problemas”, disse ele.

Juliano ressalta que por conta da Covid-19 muitas empresas tiveram variados tipos de problemas, desde tecnológicos, mão de obra escassa, falta de insumos, e uma das gigantes afetadas foi a Nike, com falta de insumos, fábricas fechadas e ações em queda. As ações da empresa caíram mais de 10% nos últimos 30 dias (US$ 162 x US$ 146). “Porém, nos últimos 12 meses, o papel acumula uma alta de mais de 15% (mas longe da máxima de US$ 174 no início de agosto”, ressalta Juliano.

Ele destaca ainda que a demanda por produtos da Nike parece ser forte, tanto nos EUAs quanto em vendas internacionais, mas a empresa continua enfrentando congestionamento da cadeia de suprimentos global semelhante a muitos outros negócios em todo o mundo.

Acelerada pela pandemia, a Nike está a caminho de fazer com que as vendas digitais representem 40% de seus negócios nos próximos 3-4 anos.

“Além do mais eles têm US$ 14 bilhões em caixa e alguns investimentos de curto prazo em seu balanço. Vão pagar também US$ 1,2 bilhão de dólares em dividendos e recompra de ações”, pontua Juliano.

Para o CEO da EQI “os melhores investidores têm nos mostrado que é mais importante escolher um bom ativo no mercado certo e deixar sua visão de longo prazo funcionar”.

Vantagens competitivas

A empresa vem fortalecendo sua marca, mesmo em meio à crise gerada pelo coronavírus. A Nike segue, inclusive, mantendo seu ritmo de lançamento de produtos inovadores, o que gera conexão com o consumidor.

Durante a pandemia, muitas empresas precisaram repensar suas atividades. Com a Nike não foi diferente. Por meio de sua base de dados de aplicativo de treinamento, a companhia identificou quatro pilares.

Esses quatro pilares são estratégicos e voltados à varejistas mundiais. São eles:

  • Contenção devido ao fechamento e redução de expediente em lojas por todo o mundo;
  • Recuperação, a partir da liberação de funcionamento;
  • Normalização, com o retorno das condições pré-crise;
  • Aumento nas vendas.

Para reverter a queda das ações, a companhia utilizou seus canais digitais. Com as lojas físicas fechadas, apostar no meio virtual foi a melhor saída. Portanto, grandes campanhas foram realizadas para estabelecer a conexão com o público. Inclusive, a empresa reforçou a utilização de seus aplicativos.

A Nike continua a ter um forte histórico de investimentos para impulsionar o crescimento e aumentar consistentemente os retornos aos acionistas, incluindo 19 anos consecutivos de aumento no pagamento de dividendos. No primeiro trimestre de 2021, a Nike retornou aproximadamente US $ 1,2 bilhão aos acionistas.

A história da Nike

Fundada em 1971, nos EUA, a empresa começou após a importação e modificação de tênis do Japão. Atualmente, é uma das principais companhias na comercialização de calçados, roupas e acessórios.

Destaca-se como uma das empresas mais valiosas de equipamentos esportivos do mundo. Aliás, sua expansão internacional teve início em 1978, na América do Sul e na Europa. No mesmo ano, foi criado um departamento de futebol, para investimentos em marketing.

Em 1980 a Nike criou seu primeiro laboratório de pesquisa. Assim, pode realizar análises e testes de ergonomia e biomecânica, deixando seus produtos cada vez mais tecnológicos e inovadores.

A Nike tem como missão trazer inspiração e inovação para cada atleta do mundo. Para tanto, tem uma cultura baseada em inovações, visando oferecer experiências positivas. Seja por meio de seus produtos ou serviços.

A empresa chegou ao Brasil em 1988, com o slogan “just do it”, ou seja, apenas faça. Porém, apenas em 2008 ela abriu sua primeira loja física brasileira. Atualmente, são mais de 50 unidades em todo o País.

Desempenho dos BDRs da Nike

Em fevereiro de 2021 a Nike (NIKE34) realizou o desdobramento de seus BDRs. Inclusive, Coca-Cola (COCA34), Mastercard (MSCD34) e outras sete empresas também fizeram.

A motivação para a ação é que cada papel negociado no Brasil seja correspondente a um dos EUA. Assim, desde 11 de fevereiro houve mudanças nos créditos.

Não foram emitidas novas ações pois o desdobramento dos BDRs acontece apenas no mercado brasileiro. Devido à alteração de paridade do programa. Dessa forma, agora a proporção é de 1 para 10.

Por fim, o BDR da Nike fechou a cotação de 5 de outubro em alta de 8,41% desde o início deste ano. Em 4 de janeiro de 2021 o BDR era cotado a R$ 73,80 e ao fim de 5 de outubro deste ano estava em R$ 80,01. Na máxima história, desde setembro de 2013 o BDR da Nike acumula alta de 428,12%.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

BDR Nike (NIKE34)

Como investir nos BDRs da Nike?

Os investidores brasileiros podem ter acesso aos chamados BDRs – Brazilian Depositary Receipts – da empresa. Eles são ativos que representam ações de empresas estrangeiras.

Quem adquire um BDR está, indiretamente, participando de uma empresa no exterior. E terá direito aos dividendos distribuídos pela companhia lá fora.

Funciona mais ou menos como um fundo de investimento. Assim, o investidor não vira o dono da ação, portanto não é sócio da empresa em questão.

Para comercializar um BDR, a instituição emissora do papel adquire várias ações de empresas estrangeiras. Então, depois monta um “pacote” e vende partes dele aos investidores. Logo, esses títulos são como cotas.

Os BDRS são certificados que representam ações emitidas em outros países. Contudo, elas são negociadas no Brasil, pela B3.

Anteriormente, pessoas físicas não podiam comprar recibos de ações de companhias estrangeiras na bolsa brasileira. Porém, o colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou a liberação. Inclusive para investidores com menos de R$ 1 milhão.

Com a aprovação, as corretoras podem oferecer estes ativos, entre eles o da Nike. Além disso, o investidor tem um leque de 670 BDRs lastreados em grandes companhias.

O que é preciso fazer para investir na Nike?

Para adquirir BDRs, o investidor precisa procurar um banco ou uma corretora de valores autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Quer saber mais sobre como investir em BDRs ou outros ativos correlacionados ao mercado exterior? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.