BCE mantém juros inalterados, como esperava o mercado

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Como previsto pelo mercado, o Banco Central Europeu (BCE) não alterou as taxas de juros. Foram mantidos juros de -0,50% para depósitos; 0,25% para empréstimos; 0% para refinanciamento.

Segundo o conselho do BCE reunido nesta quinta-feira, os juros devem se manter assim, ou até em patamares inferiores, até que as perspectivas de inflação sejam satisfatórias. O BCE trabalha na expectativa de valores próximos a 2% no ano.

O banco também reafirmou o compromisso de compra de títulos dentro do Programa de Compra de Emergência para a Pandemia, no valor total de 1,350 trilhão de euros.  O programa está programado para ocorrer até junho do próximo ano. A maioria dos economistas consultados pela Bloomberg, no entanto, espera um anúncio até dezembro com mais 350 bilhões de euros adiconais. E a extensão do pacote por mais seis meses.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

BCE: euro forte dificulta aumento da inflação

Os indicadores apontam para uma recuperação mais lenta da economia na Europa e para um novo avanço de contaminações por coronavírus.

O euro também está mais forte, tendo saltado mais de 10% em relação ao dólar desde março. O impacto deste cenário sobre a inflação preocupa. Isto porque, com a moeda valorizada, será difícil impulsionar a inflação tendo os produtos importados mais baratos.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, falará ainda hoje à imprensa sobre as decisões do BCE. Segundo a Bloomberg, ela deve apresentar uma projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro em 2020 melhor do que os 8,7% divulgados em junho. Também deve falar sobre previsões gerais até 2022.