BC começa a liberar hoje R$ 17,5 bilhões de linha para 27 bancos

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação/BC

O BC anunciou que começará a liberar hoje, quarta-feira (13) R$ 17,5 bilhões a 27 instituições financeiras, referentes à primeira parcela da Linha Temporária Especial de Liquidez para os bancos, financiada pelas Letras Financeiras Garantidas.

De acordo com o comunicado postado em seu site oficial, o Banco Central tomou tal atitude para atender à demanda dos Bancos que estão em busca de mais crédito.

“A LTEL-LFG é uma operação de empréstimo do Banco Central a instituições financeiras com o objetivo de oferecer a liquidez necessária para que o Sistema Financeiro Nacional possa atender ao aumento da demanda observada no mercado de crédito, fruto dos reflexos da propagação da Covid-19”, diz o BC.

A Linha Temporária Especial de Liquidez foi aprovada em reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) no início de abril e é um mecanismo inédito no sistema financeiro brasileiro.

De acordo com o BC, a próxima tranche (linha) será avaliada no final do mês de maio. As tranches subsequentes irão até o final do ano podendo chegar, de forma agregada, a até 100% do Patrimônio de Referência (PR) das instituições.

Garantia

As Letras Financeiras Garantidas, segundo o Banco Central, são títulos privados emitidos pelas instituições financeiras em favor do BC, que libera os recursos financeiros em troca.

Se os bancos não conseguirem quitar as dívidas emergenciais, o BC ficará, então, com as letras utilizadas como garantias para quitar a inadimplência da ou das instituições.

Segundo o BC, esse inédito mecanismo do sistema financeiro brasileiro é interessante também porque atende a instituições de diversos portes, favorecendo o fluxo de liquidez para diversos mercados e produtos financeiros.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos