BC: Brasil está melhor posicionado para retirada de estímulos no mundo

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Divulgação/Agência Brasil

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, afirmou nesta quinta-feira (14) que o Brasil está em posição melhor do que em outras crises para o momento de retirada de estímulos à economia global no pós-Covid.

A fala foi feita durante o congresso sobre gestão de riscos organizado pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos). Serra disse que o cenário internacional é desafiador, mas ponderou que o Brasil está “bem colocado”.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Conforme o diretor, isso ocorre porque o país não tem no momento um volume grande de recursos de estrangeiros alocado internamente. Ele também pontuou que a conta corrente está próxima do equilíbrio.

Linhas financeiras

Além disso, Serra falou sobre a alíquota efetiva de compulsório. De acordo com ele, esta é hoje por volta da metade do que era em 2019. Destacou que é possível “almejar bastante mais dessa agenda”, mas que o processo tem que ser seguro.

Ele reforçou que o aprimoramento das linhas financeiras de liquidez e a redução estrutural dos recolhimentos compulsórios já estavam na agenda institucional do BC antes mesmo da crise de coronavírus, e são medidas intimamente ligadas.

Serra disse que a partir de 16 de novembro será colocado de pé projeto mais estruturante para Linha Financeira de Liquidez (LFL). De acordo com ele, será mais eficiente em termos de tecnologia do que a medida nessa direção instituída durante a crise do coronavírus (LTEL-LFG).

As LFL serão instituídas na forma de empréstimo contra uma cesta de garantias, começando com debêntures e notas comerciais. Este é um universo restrito de ativos, reconheceu Serra, mas a ideia é que novos ativos sejam incorporados depois rapidamente.

Segundo o diretor, a agenda evolutiva para as LFL deve incluir módulo de leilão e priorização de CCB (Cédulas de Crédito Bancário) entre ativos elegíveis. O BC também estuda como inserir formas de ativos sustentáveis nesse escopo, indicou ele.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo