BB (BBAS3) retoma JCP; MRV (MRVE3) e Guararapes (GUAR3) emitem debêntures

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Wikimedia

O BB, Banco do Brasil (BBAS3), informou nesta quarta-feira (26) que serão retomadas as antecipações intermediárias de Juros sobre Capital Próprio (JCP).

“Essa antecipação é comumente distribuída pelo BB e havia sido suspensa em abril”, diz o Banco do Brasil em nota.

A suspensão veio com a edição, pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), da resolução 4.797, de 6 de abril de 2020.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

Ela “estabelece, por prazo determinado, vedações à distribuição de resultados e ao aumento da remuneração de administradores a serem observadas por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil”.

O BB dará novas informações sobre a operação em breve.

MRV (MRVE3) aprova 18ª emissão de debêntures no valor de R$ 500 mi

A MRV (MRVE3) aprovou sua 18ª emissão de debêntures simples, em série única.

O valor total é de R$ 500 milhões.

O Banco BTG Pactual será a instituição intermediária da oferta restrita.

Serão emitidas 500 mil debêntures, com valor unitário de R$ 1 mil.

O prazo de vencimento será de cinco anos contados da data de emissão.

Sobre o valor nominal unitário incidirão juros remuneratórios correspondentes a 100% da variação acumulada das taxas médias diárias de juros dos DI de um dia, acrescidos exponencialmente de um spread de 2,40% ao ano.

O pagamento da remuneração será realizado semestralmente, sempre no dia 24, dos meses de fevereiro e agosto de cada ano.

O primeiro pagamento será realizado em 24 de fevereiro de 2021.

Os recursos conseguidos serão destinados às atividades relacionadas à gestão da empresa.

Guararapes (GUAR3) emite debêntures no total de R4 700 mi

A Guararapes (GUAR3) também aprovou sua terceira emissão de debêntures simples, em duas séries.

Serão 700 mil debêntures, com valor unitário de R$ 1 mil.

Ou seja, a Guararapes espera levantar R$ 700 milhões.

Desses, R$ 200 milhões em debêntures da primeira série e R$ 500 milhões da segunda série.