BB (BBAS3) exige saída de funcionários aposentados pelo INSS

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.

Crédito: Reprodução/Facebook

Com a Reforma da Previdência, o Banco do Brasil (BBAS3) lançou uma nova instrução interna que exige o pedido de demissão por parte dos funcionários que entraram com a solicitação de aposentadoria no INSS.

A exceção é para os chamados estatutários, que são diretores e vice-presidentes, segundo informações da Coluna do Broadcast do Estadão.

Quem já solicitou o pedido de aposentadoria oficialmente, porém queira desistir, ainda pode voltar atrás, desde que ainda não tenha recebido nenhum pagamento nem tenha acessado os recursos do FGTS ou do PIS/Pasep.

Ainda de acordo com a coluna, “os funcionários que não solicitarem a aposentadoria compulsória após o pedido junto ao INSS poderão ser demitidos por justa causa”.

Cerca de 200 aposentadorias de quadros de alto escalão do banco estavam na fila para receber o benefício no final do ano passado. Essa situação, entretanto, ainda segue, afirma a coluna.

Corte de quadros

O analista da XP Investimentos, Marcel Campos, avalia que essa esse movimento deve acelerar a redução de pessoal do banco. “O Banco do Brasil, que já não abre concurso público há alguns anos, tem uma média de aposentadoria de 2 mil funcionários por ano”, escreveu.

Ao final de setembro, o banco contava com 96.067 mil colaboradores – entre funcionários e estagiários –, montante 3.186 inferior ao total de 99.253 do mesmo mês do ano imediatamente anterior.

Agências

A redução dos quadros foi acompanhada, no mesmo período, da diminuição de agências: 4.303 no término do terceiro trimestre contra 4.765 de um ano antes.

No encerramento do terceiro trimestre de 2011, o Banco do Brasil chegou a ter 123.344 colaboradores, recorde da série publicada no site da companhia, com um total de 5.138 agências.

Despesas administrativas

Campos acrescenta que, “embora marginal”, o movimento de exigir a saída de funcionários aposentados pelo INSS é “positivo”.

Segundo ele, a redução dos gastos com pessoal deve melhorar o índice de eficiência do banco.

As despesas do banco com pessoal somaram R$ 4,884 bilhões no terceiro trimestre do ano passado, representando um aumento de 2,5% em relação ao mesmo período de 2018.

Como comparação, de forma consolidada, todas as despesas administrativas da instituição financeira somaram R$ 7,710 bilhões de julho a setembro de 2019, última informação pública divulgada.

Em 31 de outubro do ano passado, o Banco do Brasil emitiu um comunicado ao mercado sobre a nova proposta de reforma estatutária da Cassi, com possíveis impactos estimados de R$ 588 milhões nas despesas.

Outro lado

À Coluna do Broadcast, o BB informou explicou que a mudança busca adaptar as normas internas do banco à Constituição.

A instituição financeira reforçou que a nova regra “não atinge os membros do Conselho Diretor, que tem as atividades reguladas pelo estatuto do banco”.