Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Com a alta do dólar, as remessas de brasileiros que vivem no exterior para familiares no Brasil têm batido recordes.

Em setembro, foram registradas US$ 293 milhões de receitas de transferências pessoais, segundo dados do Banco Central (BC).

Dessa forma foi o maior volume para o mês de setembro, na série histórica, iniciada em 1995.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Em setembro de 2019, as transferências somaram US$ 248,6 milhões.

Banco Central: US$ 2,407 bi enviados ao Brasil

De janeiro a setembro deste ano, foram US$ 2,407 bilhões enviados para o Brasil, crescimento de 11,6% em relação a igual período de 2019.

Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, o dólar mais caro faz com que o dinheiro convertido em reais no Brasil represente um volume maior de recursos.

Ele diz que isso pode incentivar os brasileiros no exterior a mandarem mais dólares para o país.

“Como a pessoa no exterior que está mandando para seus parentes no Brasil sabe que aquela mesma quantidade de dólares que manda ai representar uma quantidade maior, pode ter um incentivo para aumentar esse fluxo”, disse, ao apresentar o relatório das contas externas, na última sexta-feira (23).

Alta do dólar

Por outro lado, a alta do dólar desestimula o envio de recursos do Brasil para o exterior.

Em setembro, essas transferências chegaram a US$ 128 milhões, queda de 18,9% na comparação com o mesmo mês de 2019.

No acumulado do ano até setembro, o valor chegou a US$ 1,065 bilhão, recuo de 31,1% contra igual período de 2019.

Países de origem

A maior parte das transferências que vêm para o Brasil são dos Estados Unidos. Esse setembro, o volume chegou a US$ 147,2 milhões.

Outros US$ 57 milhões vieram do Reino Unido, US$ 17 milhões de Portugal, US$ 9,8 milhões da Espanha, US$ 7,7 milhões da Itália e US$ 7,6 milhões do Japão.

*Com Agência Brasil

Fundos Imobiliários: 9 perguntas e respostas sobre FIIs

Quer saber mais como investir ações? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos irá entrar em contato!