WEG (WEGE3), RD (RADL3) e Minerva (BEEF3) têm balanços positivos

Osni Alves
Jornalista | osni.alves@euqueroinvestir.com
1

Crédito: Divulgação

Com o início da safra de balanços, WEG (WEGE3), Raia Drogasil – RD (RADL3) e Minerva (BEEF3) apresentaram resultados positivos no primeiro trimestre, na avaliação da Guide.

Conforme a gestora, o primeiro semestre já conta com efeitos do coronavírus. No entanto, para a Weg, uma alta demanda acabou ajudando o desempenho de todas as suas áreas.

No Brasil, a melhora na indústria continuou seguindo a tendência dos últimos trimestres. Indústrias de papel e celulose, mineração e açúcar e álcool tiveram boa demanda por produtos tanto de ciclo curto quanto de longo.

Os negócios ligados à área de geração, distribuição e transmissão de energia também mostraram boa performance, principalmente as soluções ligadas a transmissão e distribuição e geração solar distribuída.

O mercado externo mostrou boa performance dos negócios de T&D na América do Norte e continuidade da demanda por equipamentos eletroeletrônicos industriais, principalmente em projetos importantes dos segmentos de óleo e gás, mineração e água e saneamento.

weg

WEG

A demanda da Weg na China foi impactada pela paralisação das fábricas durante boa parte do mês de fevereiro.

No restante das regiões, o desempenho foi pouco afetado pelo Covid-19. Os produtos de ciclo curto são os que demonstram maior volatilidade, e já apresentaram redução na entrada de novos pedidos na segunda quinzena de março.

Com relação aos produtos de ciclo longo, estes contribuíram positivamente para a empresa no primeiro trimestre de 2020 e devem ser menos impactados nos próximos meses.

Entre outros destaques estão a receita líquida, que foi de R$ 3,714 milhões no primeiro trimestre deste ano, 26,7% superior a igual período do ano anterior, inferior ao quarto trimestre de 2019.

O Ebitda atingiu R$ 619,1 milhões, 34,1% superior ao primeiro trimestre de 2019 e 7,1% inferior ao quarto trimestre de 2019, enquanto a margem Ebitda de 16,7%, 1,0 ponto percentual maior do que no primeiro trimestre de 2019 e 0,9 ponto percentual menor do que no trimestre anterior.

Impacto: Positivo. A pandemia acabou afetando uma série de setores, no entanto para a Weg, seus efeitos não foram tão marcantes. Além disso, os números vieram acima da expectativa do mercado.

Veja a Weg no Ibovespa:

Fonte: tradingview.

Raia Drogasil

Entre os principais destaques do trimestre, destacam-se o aumento da receita líquida em 25,3% comparado ao primeiro trimestre de 2019. A receita totalizou R$ 5,3 bilhões.

Também o Ebitda encerrou o trimestre em R$ 369,4 milhões, representando crescimento de 36,8% frente ao primeiro trimestre de 2019. A margem Ebitda ficou em 7,1%, 0,6 pontos percentuais acima que o primeiro trimestre de 2019 e 0,1 ponto percentual acima do quarto trimestre de 2019.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Já o lucro líquido totalizou R$ 152,8 milhões, aumento de 44,8% frente ao primeiro trimestre de 2019. O market share aumentou em 1,1 ponto percentual, com ganho de 1,6 em São Paulo.

A companhia abriu 39 lojas no trimestre e encerrou cinco outras, totalizando 2.107 unidades em operação.

Conforme a gestora, algo que acabou beneficiando no trimestre foi o início da transformação digital em 2019. Isso porque o aumento da demanda digital, resultou em um volume de atendimentos quase três vezes maior do que o anterior.

Além disso, a infraestrutura omnichannel vem sendo ampliada desde o início da pandemia. O número de lojas com entregas totalizou 191 unidades em 46 cidades no final de março, frente a 131 lojas em 27 cidades no final do ano de 2019.

Eles desejam ainda chegar a 340 lojas em 174 cidades até o final de junho, o que será fundamental para que alavanquem as entregas rápidas com abrangência nacional.

Ainda, introduziram um programa de entrega de bairro dentro de um raio de 300 metros das suas lojas para quem faz pedidos diretamente às lojas por telefone ou rede social, com entrega imediata e gratuita, e instituíram a retirada de pedidos na calçada e por drive-thru.

Mesmo com muitos comércios fechados temporariamente, 95% de suas farmácias continuam abertas, sendo a exceção as filiais localizadas em shoppings.

Além disso, as vendas no trimestre foram significativamente acima do normal durante as duas semanas anteriores às restrições. Durante este período, a demanda foi concentrada em medicamentos, especialmente itens de OTC, às custas de HPC.

Contudo, as vendas começaram a cair a partir do final de março, resultando em um crescimento total consolidado das vendas no período entre 1 e 27 de abril de 2,2% sobre o mesmo período de 2019, em parte devido ao fechamento de aproximadamente 5% das lojas fechadas por causa do COVID-19.

Impacto: Positivo. A companhia acabou sendo beneficiada no período devido ao business em que trabalha. Por ser um serviço essencial manteve a grande maioria de suas lojas abertas e ainda contou com um significativo aumento de sua demanda. Ainda, seu resultado superou a expectativa do mercado.

Veja o desempenho na Bolsa:

Fonte: tradingview.

Minerva

De acordo com a gestora, dentre os principais destaques da Minerva estão a receita bruta, que foi recorde para o primeiro trimestre de um ano: R$ 4.436,1 milhões (+11,6% a/a).

Também o Ebitda registrado foi recorde em um primeiro trimestre, atingindo R$ 381,5 milhões (+16% a/a), e margem crescendo 0,4 p.p., chegando a 9,2%.

O lucro líquido ficou em R$ 290,1 milhões no período frente o prejuízo de R$ 29,4 milhões no primeiro trimestre de 2019.

Por fim, o fluxo de caixa livre para o acionista encerrou o período em R$ 904,6 milhões ante os R$ 92,1 no primeiro trimestre do ano passado.

minerva

Segundo a Guide, a posição de caixa atual da companhia é suficiente para honrar suas dívidas até 2024. A alavancagem permaneceu estável, abaixo de três vezes o índice dívida líquida vezes o Ebitda.

O forte resultado da Minerva segue ligado à falta de oferta de proteína global, decorrente da febre suína africana, e da permissão de exportação de diversas plantas da América do Sul à Rússia, Arábia Saudita e Estados Unidos.

Impacto: Positivo. A Minerva entregou mais um resultado robusto, o melhor para um primeiro trimestre que costuma ser sazonalmente mais fraco.

O cenário global para os frigoríficos deve permanecer positivo para 2020 ao mesmo tempo que a empresa conseguiu se reestruturar financeiramente e possui capacidade de suprir parte da falta de oferta de proteína global através de sua plataforma da América do Sul.

Veja o desempenho na Bolsa:

beef3

Fonte: tradingview.

Cielo (CIEL3)

De acordo com a XP Investimentos, a Cielo reportou resultado negativo neste primeiro trimestre de 2020, com lucro de R$ 167 milhões frente os R$ 221 milhões no quarto trimestre de 2019 e R$ 545 milhões no primeiro trimestre de 2019.

Como a empresa mudou sua metodologia de incorporação da subsidiária Stelo, não foi possível consolidar estimativas.

A queda reflete tanto o aumento na competição, quanto os efeitos já esperados de queda dos volumes neste primeiro trimestre devido à pandemia do coronavírus.

“Reiteramos nossa recomendação neutra e preço-alvo de R$ 5”, disse.

Conforme a gestora, o volume financeiro transacionado no trimestre caiu 16% quando comparado ao trimestre imediatamente anterior e igual ao mesmo trimestre do ano anterior.

Os administradores argumentam que tal queda é devida aos impactos do coronavírus já sentidos no final do trimestre.

A base de clientes ativos também caiu 6,6% no trimestre quando comparamos com o quarto trimestre de 2019 para 1,5 milhão de clientes.

Possivelmente também explicado pela pandemia, uma vez que a base estava aumentando trimestre a trimestre.

cielo

Como consequência dos fatores mencionados, a receita líquida caiu 4,9% trimestralmente para R$ 2,8 bilhões. Já o lucro antes de imposto, depreciação apresentou deterioração de 13% trimestralmente e 31% anualmente para R$ 574 milhões, reflexo da queda nas receitas e aumento nos gastos.

Os gastos totalizaram R$ 2,6 bilhões no trimestre, em linha com o trimestre passado, mas 18% maior do que o mesmo período do ano anterior.

O aumento nos gastos reflete parcialmente a contratação de mil vendedores (hunters) para aumentar a força de venda da adquirente.

Por fim, a XP destaca que o resultado financeiro também apresentou forte queda de 80% anualmente e 31% trimestralmente, impulsionado por aumento das dívidas e despesas financeiras e diminuição nas receitas de antecipação de recebíveis, parcialmente explicado pelo programa de antecipação grátis em D+2 para crédito à vista.

Veja a Cielo na Bolsa:

ciel3

Fonte: tradingview.