Balança comercial registra déficit de US$ 816 milhões na terceira semana de janeiro

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Na terceira semana de 2020, a balança comercial brasileira apresentou um saldo negativo de US$ 816 milhões. A informação foi divulgada nessa segunda-feira (20), pelo Ministério da Economia, através de sua Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

O resultado segue o negativo da segunda semana, mesmo que tenha sido mínimo, de apenas menos US$ 13 milhões (o valor das exportações foi corrigido: antes o saldo era positivo em US$ 14 milhões e passou a negativo).

Foi uma semana menos agitada no comércio internacional, totalizando US$ 5,864 bilhões de exportações e importações.

Saldo positivo

O resultado foi gerado pela soma das exportações, no valor de US$ 2,524 bilhões (queda de US$ 908 milhões ou 26,45%), e importações, que chegaram a US$ 3,340 bilhões (queda de US$ 105 milhões, ou 3,02%), ante exportações de US$ 3,432 bilhões e importações de US$ 3,445 bilhões na semana anterior.

Juntando as três primeiras semanas, o valor exportado está em US$ 8,847 bilhões e o importado, US$ 7,913 bilhões. Apesar da má performance das exportações da terceira semana, ainda há saldo positivo de US$ 934 milhões. A corrente de comércio alcançou US$ 16,760 bilhões.

Bases de comparação

Nas exportações, comparadas as médias por dia útil até a terceira semana de janeiro de 2020 (US$ 737,3 milhões) com a de janeiro de 2019 (US$ 822,0 milhões), houve queda de 10,3%.

O principal fator foi a diminuição nas vendas de produtos manufaturados, como plataforma para extração de petróleo, partes de motores e turbinas para aviação, laminados planos de ferro ou aço, automóveis de passageiros, motores e turbinas para aviação (queda de 21,0%, de US$ 320,1 milhões para US$ 252,8 milhões) e produtos semimanufaturados, como celulose, semimanufaturados de ferro e aço, ferro-ligas, ferro fundido, alumínio em bruto (baixa de 14,3%, de US$ 131,4 milhões para US$ 112,5 milhões).

Comparando-se com dezembro de 2019, houve diminuição de 14,7% na média diária das exportações, pela baixa de vendas de produtos básicos (22,3%, de US$ 478,6 milhões para US$ 371,9 milhões) e manufaturados (12,0%, de US$ 287,5 milhões para US$ 252,8 milhões).

Nas importações, a média diária até a terceira semana deste ano, de US$ 659,4 milhões, ficou 11,5% abaixo da média para o mesmo período em 201, de US$ 744,9 milhões.

Contribuíram para essa diminuição as aeronaves e peças (queda 34,6%), adubos e fertilizantes (baixa de 31,4%), combustíveis e lubrificantes (menos 17,9%), cereais e produtos da indústria da moagem (menos 16,3%) e veículos automóveis e partes (baixa de 7,6%).

Na comparação com as três semanas primeiras de dezembro de 2019, houve crescimento da média diária de 10,3%, pelos aumentos em farmacêuticos (41,4%), equipamentos eletroeletrônicos (30,6%), plásticos e obras (25,5%), equipamentos mecânicos (23,5%) e químicos orgânicos e inorgânicos (13,2%).

Fechamento do mês

Para a Balança Comercial brasileira ultrapassar o resultado do mês de janeiro de 2019, a quarta semana precisa ser intensa. O saldo positivo do primeiro mês do ano passado foi de US$ 1,697 bilhões, com média diária de US$ 77,1 milhões. O primeiro mês de janeiro está abaixo 45% na balança e positivo 0,9% na média diária.

A média diária da corrente de comércio está US$ 1,396 bilhões, 10,9% abaixo da média do mesmo ano de 2019, com US$ 1,566 bilhões.

Ambos os meses terão os mesmos 22 dias úteis.