B3 (B3SA3): número de investidores cresce 123,8% em um ano

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/ Wikipedia

A B3 (B3SA3) informou nesta quarta-feira (10) que o número total de investidores na bolsa cresceu 123,8% em maio na comparação com o mesmo mês de 2019.

Ao final de maio deste ano, eram 2,511 milhões de investidores ativos ante 1,122 milhão de um ano antes.

Em relação ao mês de abril, o número de investidores na avançou 4,1%.

Volume financeiro cresce na B3

Em termos de volume financeiro médio diário, a bolsa girou em ações R$ 26,055 bilhões, aumento de 73,6%. Ante março, porém, houve recuo de 8,4%.

No mercado à vista, foram R$ 25,409 bilhões, alta de 73,9% em abril sobre o mesmo mês do ano passado.

Entretanto, em abril frente a março, o volume em caiu 8,7%.

No mercado de opções, o volume financeiro médio diário na B3 saltou 96,2% na comparação anual.

Enquanto no mercado a termo, foram negociados R$ 121 milhões, queda de 9,6%.

 

Derivativos

No mercado de derivativos, o volume na B3 avançou 3,8% em um ano, para 3,821 milhões.

Entre os mercados, o segmento de taxas de câmbio puxou, com alta de 20,3%.

Em seguida, as taxas de juros em reais subiram 4,9%, enquanto as taxas de juros em dólares recuaram 37,7%.

 

Balcão

No mercado de balcão, as emissões de renda fixa cresceram 13% em maio na comparação com mesmo mês do ano passado. Já o estoque cresceu 29,1%.

Em derivativos a alta na B3 ficou em 19,3% de novas emissões e estoque aumentou 50,8% em um ano.

 

B3: Maio

Em maio, a bolsa acumulou ganhos de 8,58%, mantendo a trajetória de alta do mês anterior.

O índice Ibovespa encerrou o mês de abril com alta de 10,25%, recuperando parte das perdas acumuladas ao longo deste ano.

Enquanto no mês de março o principal índice da bolsa amargou o pior desempenho mensal desde 1998, recuando 29,90%.