Azul (AZUL4) precifica oferta no exterior de US$ 600 milhões em Notes

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Reprodução/Wikipedia

A Azul (AZUL4) informou que sua controlada, Azul Investments, precificou a oferta no exterior no valor total de US$ 600 milhões em Senior Notes, com vencimento em 2026 e remuneração de 7,250% por ano.

A oferta é destinada à colocação no mercado internacional. “A Azul Investments acredita que emitirá as Notes em 15 de junho de 2021”, detalha a companhia, em nota.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

“As Notes não podem ser oferecidas ou vendidas no Brasil, exceto em circunstâncias que não constituam uma oferta pública ou distribuição de acordo com as leis e regulamentos brasileiros”, complementa a Azul, no comunicado divulgado nesta quinta (10).

Unipar (UNIP6) converte ações preferenciais PNA em PNB

A Unipar (UNIP6) informou que foram convertidas 90.610 ações preferenciais classe A em igual número de ações preferenciais classe B. As conversões modificaram a composição do capital social, como mostram as tabelas a seguir:

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Sequoia (SEQL3) aprova aumento de capital

A Sequoia (SEQL3) aprovou aumento de capital após exercícios de opções de compra de ações, por subscrição particular. O aumento será feito com a emissão de 830.699 ações ordinárias, ao preço atualizado de R$ 2,16660 por ação, fixado de acordo com o Primeiro Plano.

Com a aprovação, o capital social da companhia passará dos atuais R$ 649.740.933,86 para R$ 651.540.726,31, dividido em 138.364.247 ações ordinárias.

Copel (CPLE6): Fitch eleva rating para AAA(bra)

A Copel (CPLE6) comunica que a agência de risco Fitch elevou de ‘AA+(bra)’ para ‘AAA(bra)’ o rating nacional de longo prazo da companhia, suas subsidiárias integrais Copel GeT e Copel Dis, além de de suas respectivas emissões de debêntures.

Ao mesmo tempo, a perspectiva dos ratings corporativos foi revisada para estável.

A nota de crédito ‘AAA(bra) é a mais alta na escala da Fitch e o maior rating da história da Copel. A elevação dos ratings considera a melhora da performance operacional do grupo e a expectativa de manutenção de seu perfil financeiro, com alavancagem financeira líquida ajustada inferior a 2,5 vezes.

Foi levado em conta, segundo a Copel, o perfil de crédito do grupo, “que se beneficia da atuação como empresa integrada, com importantes ativos de geração, transmissão e distribuição de energia”. Os ativos contribuem para a diluição de potenciais riscos operacionais e regulatórios dentro de um setor que apresenta risco baixo a moderado.

De acordo com o relatório da Fitch, alguns dos pontos chave destacados são:

Risco Hidrológico Gerenciável: a Fitch destaca que a Copel GeT está preparada para o aumento no risco hidrológico;

Ganhos de Eficiência na Distribuição: a rentabilidade das operações vem aumentando de forma consistente, medida pela relação entre o EBITDA e a base de ativos remunerados;

Recomposição da Base de Ativos de Geração: a aquisição do complexo eólico Vilasdeverá incrementar o EBITDA do grupo a partir de 2022 e reduzir, em parte, a exposição ao risco hidrológico.

A companhia diz que a elevação da nota de crédito e o atingimento da nota máxima do rating é “mais uma conquista relevante na agenda estratégica e se soma aos avanços recentes na governança, como a criação do comitê de investimentos e inovação, do comitê de desenvolvimento sustentável, o aumento da representatividade dos minoritários no Conselho de Administração, o Programa de UNITs, a nova Política de Dividendos e a Política de Investimentos.”