Azul (AZUL4) flexibiliza pagamentos junto a fornecedores

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: Reprodução/Wikipedia

A Azul Linhas Aéreas (AZUL4) tem conseguido consenso junto a seus fornecedores e parceiros. Isso porque a companhia obteve flexibilizações em tratativas comerciais.

CEO da empresa, John Rodgerson disse que as conversas com lessors (arrendadores de aeronaves) e fornecedores têm sido positivas.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

Ele explanou o panorama atual da empresa a analistas e investidores por meio de uma teleconferência promovida pela XP Investimentos esta manhã (24).

“Eles compreendem que a flexibilização das condições de pagamento é importante para a sustentabilidade do negócio em meio ao cenário atual”, disse.

E acrescentou: “as discussões envolvem todos os lessors e a companhia foi ágil ao acessá-los em um estágio inicial [das medidas para conter impacto do coronavírus], antecipando a potencial desaceleração de demanda que acabou se materializando.”

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.

azul-linhas-aereas-1dia

Diálogo com o governo

Segundo Rodgerson, a companhia também mantém diálogo com o governo. “As conversas têm sido frequentes. A empresa está impressionada com a visão e com a qualidade das equipes que lidam com o assunto”, frisou.

Ele ressaltou que a mentalidade é de prestar assistência a setores que contribuem positivamente para o crescimento do PIB, mas sem criar grandes distorções.

Significa dizer que as medidas do Executivo, na análise da companhia, serão abrangentes e sem favorecer um player em detrimento de outros.

azul-linhas-aereas-5dias

Cortes de custo

A Azul atualizou o mercado em relação às medidas de corte de custos com folha de pagamento. A companhia vai enxugar o salário dos executivos em até 50%.

A iniciativa se dirige a diretores e diretores estatutários. Já os gerentes terão seus salários cortados em 25%.

CFO da Azul, Alex Malfitani reforçou que houve aumento na quantidade de tripulantes que aderiu ao programa de licença não remunerada. “Mais da metade do total da força de trabalho, até agora”, disse.

Conforme o gestor, essas medidas devem reduzir as despesas com folha de pagamento em 65% em abril.

Liquidez

A empresa também tem conseguido vender pontos do programa de fidelidade TudoAzul antecipadamente, dessa forma gerando liquidez adicional.

A companhia ainda acessou instituições financeiras para obter linhas de crédito adicionais, mas esta iniciativa está em fase inicial.

Já com relação ao subarrendamento dos E1s (jatos Embraer de geração antiga), o cronograma por ora está mantido, tendo em vista que parte das entregas deveria acontecer no segundo semestre do ano apenas.

“No entanto, a companhia tem capacidade de ajustar esse cronograma, se necessário”, informaram.