Atletas juntam milhões para ajudar no combate ao coronavírus

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Rede Contra o Vírus

O mundo do esporte se mobilizou para ajudar no combate à pandemia de coronavírus e, com doações e campanhas, tem feito o possível para ajudar.

Vaquinhas online, leilões de objetos pessoais – chuteiras, camisas autografadas, bolas e outros itens -, lives e doações em dinheiro viraram parte do dia a dia dos atletas.

Neymar, camisa 10 da Seleção Brasileira e craque do PSG, da França, fez uma doação de R$ 5 milhões para a Unicef e para um fundo organizado pelo apresentador Luciano Huck.

Ana Moser, ícone do vôlei brasileiro e responsável pelo IEE (Instituto Esporte & Educação), já arrecadou R$ 380 mil em doações para ajudar as famílias dos 5 mil alunos do instituto.

Uma reportagem do Portal Uol revelou que o ex-judoca Flávio Canto fez ação semelhante. Canto, líder do Instituto Reação, arrecadou R$ 745 mil em doações online e de instituições, como o BV.

O canoísta Pedro Gonçalves criou a campanha “Juntos Somos Mais Fortes” e, por meio dela, superou a marca de R$ 6 mil em doações. A ideia é chegar aos R$ 10 mil para, então, comprar cestas básicas para as famílias carentes de Piraju, sua cidade natal.

Atletas do surfe nacional, como Adriano Souza, o Mineirinho, e Pedro Barros, arrecadaram 9 toneladas de alimento para distribuir às comunidades carentes de Florianópolis.

Gabriel Medina, “parça” de Neymar, seguiu o exemplo do craque dos campos e, por meio do Instituto Gabriel Medina, está arrecadando doações para ajudar famílias em Maresias.

Robert Scheidt, que em Tóquio 2021 disputará sua sétima Olimpíada, venderá uma série limitada de 100 camisetas, cada uma a R$ 110, e reverterá o dinheiro para a compra de viseiras aos profissionais de saúde que estão sofrendo com a falta de EPIs (equipamentos de proteção individual).

Leilões de craques

coronavírus, richarlison

O sentimento de solidariedade alcançou os mais variados nomes do futebol mundial. Richarlison, que atua no Everton, da Inglaterra, e é presença constante nas convocações de Tite para a Seleção Brasileira, doou 500 cestas básicas para comunidades carentes e, de quebra, colocou um par de chuteiras em leilão, cuja renda será revertida para o combate ao coronavírus.

Acelino Popó Freitas, campeão mundial de boxe, colocou um cinturão em leilão pela internet e arrecadou R$ 90 mil, que serão revertidos para cestas básicas às comunidades carentes de Salvador.

O tenista espanhol Rafael Nadal foi além e juntou R$ 115 mil ao leiloar a camisa que usou para vencer o torneio de Roland Garros em 2019.

O dinheiro também será destinado às vítimas da pandemia de coronavírus.

Nesse leilão, mais itens de astros do esporte, como um par de tênis autografado por Kobe Bryant, astro da NBA morto em acidente de helicóptero, também reverteram a renda para ajudar no combate da Covid-19.

No total, 78 itens foram leiloados e a arrecadação bateu R$ 788 mil.

Coronavírus no mundo: contágio já atinge 2,3 milhões de pessoas