Ata do Copom sinaliza novo corte ‘residual’ da taxa Selic

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

A ata da reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) foi divulgada nesta terça-feira (23) e trouxe o que o mercado já aguardava: a confirmação de que um novo corte na taxa Selic ainda este ano será apenas residual.

A cautela, justifica o comitê, se dá porque a “magnitude do estímulo monetário já implementado parece compatível com os impactos econômicos da pandemia da Covid-19”.

Nas próximas reuniões, os focos serão os impactos da pandemia e o conjunto de medidas de incentivo ao crédito e recomposição de renda. “Um eventual ajuste futuro no grau de estímulo monetário será residual”, reiteram.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Na última reunião, dias 16 e 17 de junho, o comitê optou, por unanimidade, pela redução da Selic de 3% para 2,25%. Agora, a expectativa é que o corte residual aconteça ainda na reunião de agosto, com a taxa de juros chegando a 2%. O encontro acontece nos dias 3 e 4.

O Copom salienta, no entanto, que novas informações sobre a evolução da pandemia e a diminuição das incertezas no âmbito fiscal serão essenciais para definir próximos passos da política monetária.

Limites para a Selic

O comitê voltou a discutir um eventual limite efetivo mínimo para a taxa básica de juros brasileira. E, para a maioria dos membros, este limite deve ser maior para as economias emergentes do que para países desenvolvidos. Estes últimos trabalham, atualmente, juros perto de 0% ou abaixo disto. Foi ressaltado que o prêmio de risco tende a ser maior no Brasil. Isto devido à “relativa fragilidade fiscal”.

Recuperação a partir do terceiro trimestre

Na avaliação do Copom, o segundo trimestre será de forte contração do Produto Interno Bruto (PIB). Abril foi o mês que atingiu o menor patamar de crescimento. E maio e junho demonstraram recuperações parciais.

O cenário básico considerado pelo Copom considera uma queda forte do PIB na primeira metade deste ano, seguida de uma recuperação gradual a partir do terceiro trimestre.

Cenário desinflacionário

A ata reafirma ainda a preocupação com a inflação. Para os membros do comitê, o impacto da pandemia sobre a economia brasileira será desinflacionário. E associado a um forte aumento do nível de ociosidade dos fatores de produção e a uma redução significativa da demanda.

“Diversas medidas se encontram abaixo dos níveis compatíveis com o cumprimento da meta relevante para a política monetária”, afirmam.

As expectativas de inflação para 2020, 2021 e 2022 apuradas pelo Boletim Focus encontram-se em torno de 1,6%, 3,0% e 3,5%, respectivamente.

A curto prazo, no entanto, a inflação pode sofrer altas. Isto devido aos ajustes nos preços do petróleo e nos preços de itens específicos com baixa demanda na quarentena.

O risco de alta da inflação é possível caso a pandemia se prolongue. E provoque aumento de incerteza e de poupança. É uma possibilidade com que o Copom trabalha, apesar de acreditar no cenário desinflacionário.

Reação global à crise

O comitê ponderou que a reação dos governos e bancos centrais das principais economias tem apresentado coordenação e dimensão inéditas. E isto tem mitigado parcialmente os impactos econômicos da crise.