As notícias que vão agitar o mercado essa semana

Carlos Henrique de S. e Silva
Carlos Henrique é especialista de investimentos certificado pelo CEA® e PQO®. Em sua trajetória esteve em grande instituições como o Banco Volkswagen, XP Investimentos e Banco Itaú. Atua como assessor de investimentos e paralelamente como redator do site EuQueroInvestir.com.
1

Crédito: foto por pressfoto - br.freepik.com

Juros americanos, dados da União Europeia, decisões sobre possível adiamento do Brexit e Payroll podem agitar o mercado

Essa semana que está por vir promete ser bem agitada ao mercado: com dados das economias norte-americana, da zona do euro, adiamento do Brexit e, por fim, Payroll na sexta-feira.

Já conhece o nosso canal no YouTube? Clique e se inscreva

Assim, a volatilidade está prometida conforme os dados forem divulgados.

Aqui, vamos dissecar o que você precisa saber para começar a semana bem informado.

Corte na taxa pelo Fed

Com 94% de confiança, os investidores aguardam decisão de corte do Federal Reserve.

Segundo analistas, o Banco Central Americano vem reduzindo a taxa de juros a fim de “proteger a economia” contra ameaças externas.

Desse modo, a decisão de uma taxa de juros mais baixa manteria a economia aquecida, mesmo com inflação e demanda doméstica baixas.

A fraqueza econômica se espalhando pode forçar o Fed a tomar mais ações nos próximos meses.

Dados econômicos dos EUA

Assim como a decisão do Fomc – Comitê do Fed – na quarta, horas depois teremos o relatório do PIB dos EUA.

O relatório sobre o terceiro trimestre da economia estadunidense deve mostrar crescimento de 1,7% nos três meses até setembro.

Contudo, o dado trás uma desaceleração em comparação ao segundo trimestre: de 2,0% para os 1,7%.

A possível desaceleração preocupa com temores de uma recessão global.

Payroll do governo americano

Na sexta, como balizador da economia, teremos dados sobre a folha de pagamento de trabalhadores não-agrícolas.

Os dados do Payroll devem mostrar um crescimento no desemprego.

Contudo, a possível elevação de desemprego se deve a uma greve dos trabalhadores da General Motors. No momento da apuração dos dados, trabalhadores em greve são tratados como desempregados.

Entretanto, os dados fracos da folha de pagamento tendem a normalizar na próxima apuração.

Os dados divulgados tendem a abalar o mercado que já acompanha dados fracos de vendas no varejo, bens duráveis e produção industrial em setembro.

Dados econômicos da Zona do Euro

Substituição do comando do Banco Central Europeu nessa quinta-feira.

Mario Draghi deixa o comando do BC Europeu e entrega o cargo a Christine Lagarde.

Porém, antes da substituição, o mercado aguarda dados do PIB da zona do euro com crescimento de 0,1% no trimestre.

O crescimento esperado, contudo, mostrará uma desaceleração da economia da zona do euro de 0,2% no segundo trimestre para 0,1% no terceiro.

Inflação e relatório de desemprego em agosto também serão observados de perto pelo mercado, em meio a temores de recessão.

Adiamento do Brexit

A novela entre a União Europeia e o Reino Unido parece não ter fim.

O mercado aguarda uma posição da União Europeia ainda no começo da semana sobre o adiamento do Brexit depois que Boris Johnson não conseguiu acordo de separação no parlamento britânico.

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, foi forçado pelo Parlamento a garantir mais prazo para evitar um Brexit prejudicial sem acordo.

O primeiro-ministro, dessa forma, propôs realização de eleições em 12 de dezembro, para garantir maioria na aprovação de acordo do Brexit.