Arrecadação cai 2,7%; Receita vai zerar alíquota do IOF por 90 dias

Osni Alves
Jornalista | osni.alves@euqueroinvestir.com
1

Crédito: Marcello Casal JR/Divulgação

Levantamento da Receita Federal informa que a arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou queda real (descontada a inflação) de 2,71% em fevereiro frente igual período do ano passado, somando R$ 116,430 bilhões.

Secretário especial da Receita Federal, José Tostes Neto anunciou que o governo vai zerar a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre operações de crédito por 90 dias. Segundo ele, a medida custará R$ 7 bilhões ao governo.

Foram adiados ainda os pagamentos das contribuições para o PIS/Pasep e a Cofins e da contribuição patronal devidos entre abril e maio. As empresas poderão fazer o recolhimento entre agosto e outubro.

De acordo com a Receita, em fevereiro de 2019, a arrecadação havia R$ 119,670 bilhões, sendo esse também foi o pior resultado para meses de fevereiro desde 2018, quando o montante chegou a R$ 113,586 bilhões.

As informações foram divulgadas na manhã esta quinta-feira (2).

receita-federal-arrecadacao-1

Fevereiro

Conforme a pasta, o mês de fevereiro ainda não apresentou efeitos importantes da pandemia de coronavírus na economia brasileira, que começaram a ser sentidos com mais intensidade de março em diante.

Para a Receita, a queda real da arrecadação em fevereiro pode ser explicada, principalmente, por “fatores não recorrentes”, como a arrecadação extraordinária de R$ 4,6 bilhões relativa ao Imposto de Renda Pessoa Jurídica e à Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) em fevereiro de 2019.

jose-barroso-tostes-neto

Janeiro

Conforme a Receita, impulsionada pelo resultado de janeiro, no primeiro bimestre, a arrecadação federal somou R$ 291,421 bilhões, o melhor desempenho para o período da série histórica, iniciado em 2007. O montante ainda representa avanço de 1,61% na comparação com igual período do ano passado.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Isso porque as desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 16,670 bilhões no primeiro bimestre deste ano, valor maior do que em igual período do ano passado, quando totalizaram R$ 16 bilhões.

Apenas no mês de fevereiro, as desonerações somaram R$ 8,469 bilhões, também acima do que em fevereiro do ano passado (R$ 8,128 bilhões).

Só a desoneração da folha de pagamentos custou aos cofres federais R$ 787 milhões em fevereiro e R$ 1,603 bilhão no acumulado do ano.

Tá, e aí?

Analista político-econômico da Solomon’s Brain, Guto Ferreira diz acreditar que essa é uma medida do governo para tentar fortalecer os investimentos e fazer movimentar o mercado financeiro.

“Se vai dar certo, a gente vai saber depois pelo movimento da Bolsa. O que a gente sabe até o momento, é que as medidas não estão surtindo muito efeito”, disse.

E acrescentou; “tivemos uma fuga recorde de R$ 7 bilhões do mercado, recentemente.”

Para ele, a Bolsa vai ficar em volatilidade por um bom tempo. Como hoje o petróleo deu uma disparada por um tweet do presidente norte-americano Donald Trump, que depois acabou não se confirmando, o commoditie voltou abaixo do patamar de 25 dólares por barril.

Conforme Ferreira, entre as ações que vão movimentar o pós-covid, estão as do segmento de alimentação, que deve voltar a exportar em breve.

“Essas ações hoje, em tese, estão mais baratas e isso faz valer a pena. Outro ativo interessante é o papelão, principalmente se voltar a exportar”, ressaltou.

weg indústria brasileira

Área digital

De acordo com o analista, todas as ações que tenham a ver com venda digital devem ser olhadas com mais atenção. “Com certeza elas podem ter uma melhora”, frisou.

Quanto à indústria, ele foi ainda mais objetivo: “Weg, BRfoods, Klabin. Tudo o que movimentar a economia, para a própria recuperação dela, vai ter um aumento na ação”, reforçou.

Arrecadação vai cair

Para Ferreira, a arrecadação do governo vai cair ainda mais. “Ocorre que 30% dos impostos são originários da indústria e esta nunca foi o foco da equipe econômica”, disse.

Segundo o analista, a indústria ficou basicamente desprotegida agora, porque o governo decidiu seguir uma linha de comércio e serviços.

Isso implica que no pós-covid, para o governo voltar a ter boa arrecadação, as pessoas vão ter que consumir, o que gera um problema, porque hoje elas não tem poder de compra e já não tinham antes da crise.

“Agora, talvez fique pior. Então, a indústria deve ser o grande puxador da retomada da economia brasileira, mas, para isso, obviamente, o governo tem que olhar e tem que ter um planejamento de produtividade para a indústria nacional, coisa que não existe atualmente”, concluiu.