Argentina proíbe voos comerciais até 1 de setembro

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

O governo argentino anunciou neste domingo (26) que estendeu a proibição de todos os voos comerciais no país até 1 de setembro. A medida visa conter o avanço do coronavírus no país.

Só podem ser vendidas passagens para voos após esta data. A permissão da venda antecipada foi uma solução encontrada para tentar amenizar os prejuízos que sofrem as companhias aéreas do país.

“Foi considerado razoável estabelecer 1 de setembro de 2020 com o objetivo de reagendar operações regulares ou solicitar autorizações para operações não regulares de transporte aéreo de passageiros, sujeito ao levantamento efetivo das restrições impostas ao transporte aéreo comercial e às modalidades de uma operação que poderia ser estabelecida oportunamente na saída ordenada da emergência gerada pelo Covid-19”, diz a resolução do governo.

Só podem circular nos céus argentinos voos de repatriação ou de carga aérea.

De acordo com o jornal Clarín, a paralisação pode gerar a falência de empresas como Flybondi e JetSmart. A Aerolineas Argentinas, por ser estatal, teria mais fôlego para atravessar a crise.

Presidente preocupado com o Brasil

O presidente argentino, Alberto Fernández, afirmou neste domingo estar “muito preocupado” com a situação do coronavírus no Brasil. Ele considera que o governo brasileiro não está encarando a pandemia com seriedade. A informação é da agência RFI.

O país segue em quarentena total para cidades com mais de 500 mil habitantes. A princípio, o bloqueio segue até 10 de maio. Mas, a partir de segunda (27), começa com uma novidade: uma leve flexibilização, com as pessoas autorizadas a sair de casa por uma hora para atividades recreativas próximas à residência (em um raio de até 500 metros).

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Argentina tem 3.701 casos confirmados de coronavírus e 179 mortes.

Argentina abandonou Mercosul

Na última sexta-feira (24), a Argentina anunciou que está fora das negociações com o Mercosul. A saída do bloco, explica o país, se dá para priorizar o combate ao coronavírus e a economia interna.